PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
2 meses

Bolsonaro garantiu que respeitará decisão do plenário sobre voto impresso, diz Lira

Os presidente da República, Jair Bolsonaro, e da Câmara, Arthur Lira, na saída do Palácio do Planalto - Ueslei Marcelino/Reuters
Os presidente da República, Jair Bolsonaro, e da Câmara, Arthur Lira, na saída do Palácio do Planalto Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

09/08/2021 09h50Atualizada em 09/08/2021 09h54

(Reuters) - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou hoje que conversou com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a decisão de levar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do voto impresso para votação no plenário da Casa, e que recebeu garantias do chefe do Executivo de que respeitaria a decisão dos deputados.

"O resultado do plenário nossa expectativa é que os Poderes acatem com naturalidade e respeitem", disse Lira em entrevista à rádio CBN. "O presidente Bolsonaro me garantiu que respeitaria o resultado do plenário."

Segundo o presidente da Câmara, a PEC deve ser votada já nesta semana, amanhã ou na quarta-feira (11), e a expectativa é de derrota do projeto, que é amplamente defendido por Bolsonaro.

"Temos uma média de 15 ou 16 partidos contrários ao voto impresso, acho que as chances de aprovação podem ser poucas", disse Lira.

O presidente da Câmara anunciou na sexta-feira (6) que levaria a proposta sobre a implantação do voto impresso pela urnas eletrônicas nas eleições ao plenário da Casa, apesar de a proposta ter sido derrotada em comissão especial sobre o tema na véspera.

Lira disse que a decisão visa pacificar as eleições de 2022, depois que o tema do voto impresso se tornou motivo de enorme tensão entre Bolsonaro —ferrenho defensor da proposta— e a cúpula do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que defende a lisura do sistema atual.

Como se trata de uma PEC, para a mudança ser aprovada precisa do apoio de 308 dos 513 deputados em dois turnos de votação e depois, também em duas rodadas, os votos de 49 dos 81 senadores.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

Política