PUBLICIDADE
Topo

Cerca de 10 casos suspeitos do novo coronavírus estão sendo analisados na França

22.jan.2020 - Paciente com suspeita de estar infectado com o coronavírus internado no hospital Prince of Wales, em Hong Kong, na China - Reuters
22.jan.2020 - Paciente com suspeita de estar infectado com o coronavírus internado no hospital Prince of Wales, em Hong Kong, na China Imagem: Reuters

26/01/2020 12h44

A França segue sob alerta após a confirmação de três casos do novo coronavírus no país. Neste domingo (26), as autoridades anunciaram que cerca de dez pessoas que podem estar contaminadas passam atualmente por avaliações médicas.

Em entrevista à rádio RTL, a ministra da Saúde, Agnès Buzyn afirmou que as três pessoas que contraíram o novo coronavírus seguem hospitalizadas e passam bem. Segundo ela, especialistas realizam testes com cerca de dez outros casos suspeitos na França. "Vemos que essa epidemia corre o risco de se propagar nos próximos dias ou semanas", afirmou.

No aeroporto Charles de Gaulle, na região parisiense, uma equipe médica realiza controles de passageiros que chegam em voos diretos da China. No entanto, o registro da temperatura dos viajantes não está sendo realizado na França - medida adotada por outros países. "Na verdade, isso não serve para nada", justifica Buzyn, lembrando que a técnica não é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Na sexta-feira (24), a ministra indicou que os 26 voos semanais diretos de Wuhan à Paris foram cancelados. No entanto, outros cerca de 60 voos diretos da China continuam pousando em Paris. "Todos os passageiros recebem um flyer em francês, inglês e chinês", explicando "como agir" em caso de contaminação, reiterou Buzyn.

Ano Novo cancelado

Em Paris, um desfile previsto no centro da capital para celebrar o Ano Novo chinês foi cancelado pelas associações chinessas que organizam o evento anualmente. O mesmo foi feito em Bordeaux, no sudoeste da França, após a confirmação de um caso do coronavírus na cidade na sexta-feira (24).

As autoridades francesas continuam pedindo que a população mantenha a calma. "Não podemos entrar em pânico. Ao mesmo tempo, é preciso ser vigilante", afirmou a prefeita de Paris, Anne Hidalgo à rádio Europe 1.

A ministra da Saúde também afirma que o novo coronavírus "é muito contagioso, mas menos grave do que imaginávamos". Segundo ela, "a mortalidade é muito menos importante do que temíamos no começo da semana passada".

Repatriação de franceses na China

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, realiza uma reunião com ministros neste domingo para discutir a repatriação de cidadãos que estão em Wuhan, epicentro das contaminações na China. De acordo com as autoridades, há 800 franceses na cidade, colocada sob quarentena.

Em entrevista às mídias do país, cidadãos reclamam da desorganização e das informações desencontradas do Consulado da França em Wuhan. À rádio Europe 1, o francês Philippe Uzan afirmou que as autoridades cogitam uma possível evacuação através de um ônibus para a cidade de Changsha, 400 quilômetros ao sul de Wuhan. "Não faz nenhum sentido. Changsha é perto daqui. Talvez nos próximos dias, essa cidade também seja colocada sob quarentena", diz.

Já o grupo automotivo francês PSA anunciou que vai repatriar os empregados e suas famílias que vivem em Wuhan, cerca de 38 pessoas. De acordo com a empresa, primeiramente, os indivíduos devem passar alguns dias em quarentena na China para depois poderem embarcar em um avião rumo à França.

56 mortos

Neste domingo, a China anunciou mais 14 vítimas do coronavírus nas províncias de Hubei e Henan, aumentando para 56 o número de mortos pela doença até o momento. O governo também proibiu temporariamente o comércio de animais selvagens, já que a propagação do vírus teria começado em um mercado de Wuhan, que vendia bichos ilegalmente. Já Xangai suspendeu a circulação de ônibus de longa-distância.

Até o momento, cerca de 2 mil casos foram confirmados no país. O prefeito de Wuhan, Zhou Xianwang, declarou que, considerando a quantidade de pacientes hospitalizados sob suspeita de terem contraído o coronavírus, a expectativa é que cerca de outras mil contaminações sejam anunciadas nos próximos dias.