PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Em Cabul, afegãos vendem seus pertences para sobreviver

População de Cabul enfrenta pobreza em meio a crise interna - Arquivo pessoal/Luca Coser Bassani
População de Cabul enfrenta pobreza em meio a crise interna Imagem: Arquivo pessoal/Luca Coser Bassani

27/09/2021 16h02Atualizada em 27/09/2021 16h21

Sonia Ghezali, correspondente da RFI em Cabul

Desde a tomada de Cabul pelo Talibã, o Afeganistão está afundando em uma grave crise humanitária. O orçamento público do país era 80% financiado pela comunidade internacional, até à chegada dos extremistas ao poder, em 15 de agosto. Mais de nove em cada dez famílias não têm mais o que comer, de acordo com o Programa Mundial de Alimentos. Os moradores vendem o que têm para fugir ou sobreviver.

Algumas ruas da capital Cabul parecem mercados das pulgas. Uma máquina de lavar, duas molas, um colchão, cômodas, uma mesa de sinuca, um carrinho de bebê, é isso que Parwaiz tenta vender. A razão é porque ele não consegue mais alimentar a família. Dois homens que se dizem compradores de bens usados ??se aproximam dele e do carro carregado: "Quanto você quer?" alguém pergunta. "Dê a ele 16.000", sugere o outro.

Com um maço de mil notas afegãs nas mãos, um dos compradores conta até dezesseis e entrega as notas azuis a Parwaiz. "Não". Parwaiz se recusa. Ele quer 20 mil afegânis, o equivalente a pouco menos de ? 200. Poucos minutos depois, no entanto, acaba cedendo. Este comerciante que faliu com a chegada do Talibã está "lutando para alimentar a família", diz ele.

"Antes, você podia comer carne e arroz uma vez por mês. Agora, não podemos mais. Um quilo de carne custa 500 afegânis, um quilo de arroz custa 150. Mas as pessoas não conseguem juntar 100 afegânis", reclama.

Um revendedor espera por clientes perto de seu estande. Vários objetos colocados na calçada. "Eu trabalhava na feira. Tinha uma barraca de legumes e vendia batatas. Porém, não há mais clientes, as pessoas pararam de comprar desde a chegada do Talibã", explica. "Então, eu compro e vendo o que as pessoas vêm vender aqui. Não é fácil. O Talibã veio várias vezes para nos dizer para parar. Eles me prenderam e me levaram várias vezes para a delegacia, mas eu não tenho escolha. Estou desesperado. Então continuo", conclui.

Na beira da estrada, um homem chama a reportagem. Ele está inquieto, fala alto e se apresenta: Abdul Rahmane. Raivoso, o taxista de 65 anos conta que também caiu na pobreza nas últimas semanas. "Os Estados Unidos nos decepcionaram, aqueles com dinheiro que trabalhavam no governo em alto escalão fugiram, nos abandonaram. Este é um segundo Iraque. A comunidade internacional deve perceber nossa situação e nos ajudar a sair dela. Se eles fossem nos abandonar assim, deveriam ter jogado todos os afegãos no rio Helmand, isso teria sido melhor do que o que vivemos hoje, porque agora somos todos mendigos, " acrescenta.

Com um dólar por dia para sobreviver, Abdul Rahmane vive em extrema pobreza. A ONU alertou que quase toda a população afegã corre o risco de cair abaixo da linha da pobreza nos próximos meses, se nenhuma assistência humanitária for fornecida ao país.

(Com informações da AFP)

Internacional