PUBLICIDADE
Topo

Rio de Janeiro

Alegria da Zona Sul desfila com ritmistas pintados de preto

Ritmistas da Alegria da Zona Sul desfilaram com o rosto pintado de preto - Rafael Lemos/UOL
Ritmistas da Alegria da Zona Sul desfilaram com o rosto pintado de preto Imagem: Rafael Lemos/UOL

Rafael Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

02/03/2019 02h42

Segunda escola a desfilar na Marquês de Sapucaí, pelo Grupo de Acesso do Rio, a Alegria da Zona Sul apresentou ritmistas fantasiados de Preto Velho, uma entidade da Umbanda.

Dos 230 integrantes da bateria, 195 tiveram os rostos e braços pintados de preto. No ano passado, a bateria do Salgueiro adotou o mesmo procedimento e foi alvo de críticas devido à associação com o blackface -prática com um histórico ligado ao racismo no teatro do século 19, quando atores brancos pintavam o rosto para representar personagens negros de forma exagerada e estereotipada.

O mestre de bateria da Alegria da Zona Sul, Claudinho, contestou a conotação racista e argumenta que a pintura era indispensável para a caracterização da entidade religiosa.

"Se viéssemos sem a tinta, quem assiste não entenderia por causa do chapéu de palha, que é muito usado pelo pessoal do campo. Não foi nada racial, até porque sou negro. Tínhamos que identificar para o público e os julgadores", justificou.

Rio de Janeiro