PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


Representante de militares: "Bolsonaro nos traiu, PSOL e PT nos defenderam"

Protesto de militares graduados da reserva - Reprodução/Twitter
Protesto de militares graduados da reserva Imagem: Reprodução/Twitter
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

31/10/2019 04h00

As cenas de comoção protagonizadas por militares graduados da reserva circularam freneticamente nas redes sociais, na terça-feira 29. Naquele dia, vários deles foram à Câmara pressionar os deputados federais para tentar reverter as perdas que o projeto de reforma da Previdência criado pelo governo impôs a essa fatia das Forças Armadas. O esforço foi em vão.

Muitos deles foram às lágrimas e se sentiram traídos pelo presidente Jair Bolsonaro, a quem apoiaram fervorosamente na corrida eleitoral. "Na campanha, ele prometeu que ia resolver a questão salarial, disse que o salário dos sargentos está muito baixo", comenta Adão Farias, sargento da Aeronáutica da reserva e diretor de coordenação política da Federação Nacional dos Militares Graduados Inativos das Forças Armadas. "Mas aí, olhamos o projeto da reforma da Previdência e constatamos que estava beneficiando somente a cúpula".

Os graduados não gostaram de ver que o governo privilegiou os oficiais superiores, enquanto eles tiveram reduzidos os valores de adicionais de disponibilidade (ganho pelo fato de o militar ser obrigado a ficar completamente disponível para a força) e habilitação (recebido de acordo com os cursos feitos por cada um), além de outros benefícios.

Em uma reviravolta surpreendente, os militares que antes colocavam fé em Bolsonaro foram defendidos na votação da Câmara por deputados do PSOL e do PT. "A sargentada representa 80% da tropa", afirma Farias, em entrevista à coluna. "Com esses, o presidente perdeu seu capital político para sempre".

UOL - Por qual motivo os graduados direcionaram seu protesto contra o presidente Bolsonaro?

Adão Farias - É muito simples de entender: pelo discurso de campanha que ele fez. Bolsonaro se manteve 30 anos como deputado porque teve apoio dos graduados dentro dos quartéis, da sargentada, que representa 80% da tropa. Na campanha, prometeu que ia resolver a questão salarial, disse que o salário dos sargentos está muito baixo. A maioria dos suboficiais que sai das Forças Armadas e vai para a reserva sai num dia e no outro vai trabalhar de motorista de táxi ou de Uber. Bolsonaro prometeu melhorar isso. Mas aí, olhamos o projeto da reforma da Previdência e constatamos que estava beneficiando somente a cúpula. Os generais vão para uma remuneração de R$33.900,00.

O protesto está voltado para Bolsonaro porque esse projeto de reforma é de iniciativa exclusiva do presidente, foi ele que enviou à Câmara. É privativo dele tratar de salário e reestruturação da carreira militar. Então foi ele que enviou, está havendo protesto contra o presidente porque a responsabilidade é dele, podia ter melhorado o projeto e não melhorou.

As associações representativas dos graduados tentaram contato direto com Bolsonaro?

Todas as associações tentaram chegar ao presidente e não conseguiram. O vice-presidente chegou a receber um grupo e depois passou para a assessoria. Tentamos negociar com o Ministério da Defesa, eles recusaram. Tentou-se negociar com o líder do partido do governo, Major Vitor Hugo, não tivemos sucesso. Fizemos esse esforço durante seis meses para que eles nos ouvissem para corrigir o projeto, mas ninguém nos recebeu.

Ouvimos várias vezes dentro do Congresso: "É para ser aprovado desse jeito, é assim que o Ministério da Defesa quer". O próprio relator falou isso. Numa audiência pública na Câmara dos Deputados ele disse: "eu fui escolhido pelos comandantes militares para ser o relator desse projeto". Isso causou perplexidade: quer dizer que os comandantes escolhem o relator de um projeto de lei que é de interesse deles?

Quais partidos apoiaram a causa de vocês?

A comissão foi formada com 44 deputados de todos os partidos. Algumas legendas disseram que iam apoiar e depois pularam fora. O DEM por exemplo. O PSL foi o tempo todo contra, o Major Vitor Hugo disse que não apoiaria. Quem ficou do nosso lado foi o PT e o PSOL.

Não é curioso que justamente os partidos apontados como "comunistas" e inimigos pelos militares na campanha eleitoral tenham ficado ao lado de vocês?

O que nós vimos foi isso. O partido do governo que dizia que resolveria a questão dos militares ficou contra melhorias no projeto. O PT e PSOL votaram a favor dos graduados. Vi vários militares agradecendo o apoio ao PSOL, vi inclusive entrevistas de militares dizendo que votam no Glauber e no Freixo e não votam mais nos deputados da base do governo e nem no Bolsonaro. Isso pra mim foi uma surpresa, porque esses militares sempre estiveram alinhados com Bolsonaro. O PSL era um partido insignificante e se tornou grande com o apoio dos militares. Não esperava isso. Na hora que o cara se sente traído, o sentimento é terrível.

Esse sentimento é generalizado ou restrito a algum grupo?
Pelo fato de atuar com as associações, participo de pelo menos 20 grupos de WhatsApp e Telegram. Posso dizer que a indignação vai do Oiapoque ao Chuí.

Acha que o presidente Bolsonaro pode reverter esse sentimento de decepção?

Acho difícil que ele reverta isso. O capital político que ele tinha com os graduados se perdeu.

E o argumento de que seria muito dispendioso atender as reivindicações de vocês?
Contratamos um matemático que desmente o impacto financeiro caso os graduados fossem beneficiados. Não seria de R$ 130 bilhões em dez anos, mas de R$ 10 bilhões. Inflaram o número para causar impacto.

Outra coisa: dentro da comissão estavam os generais. O Ministério da Defesa mantém uma assessoria parlamentar dentro do Congresso. São coronéis, partes interessadas no projeto como está, porque levam as maiores gratificações. Atuam diretamente nos gabinetes dos deputados, exerceram uma pressão muito forte para que não o projeto não fosse mudado.

Chico Alves