PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


"Bebianno poderia ter colocado coisas muito mais perigosas", diz general

Siga o UOL no
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

14/03/2020 14h33

Pelo menos duas pessoas que trabalharam com Gustavo Bebianno nos últimos tempos confirmam que o ex-secretário geral da Presidência, que morreu na madrugada de hoje de infarto, deixou duas cartas para serem abertas em caso de assassinato. O deputado Julian Lemos (PSL-PB) e o general Maynard Santa Rosa disseram à coluna que ouviram de Bebianno essa informação.

Santa Rosa, que foi secretário de Assuntos Estratégicos do governo Bolsonaro, ouviu de Bebianno que ele escreveu as cartas para serem abertas caso ele fosse assassinado. O general não conhece o conteúdo das mensagens, mas confirma que o ex-ministro detinha informações comprometedoras.

"Quando Bebianno se viu rejeitado, ficou traumatizado, tivemos que fazer muita força para ele não sair explodindo", lembra o general. "Conseguimos contê-lo visando o futuro do governo, porque prejudicaria o Brasil se ele saísse atirando. Ele concordou, era um cara do bem".

General Maynard Santa Rosa - Alan Marques/Folhapress
General Maynard Santa Rosa
Imagem: Alan Marques/Folhapress

Perguntado sobre quais seriam essas revelações, Santa Rosa diz que Bebianno tinha "outros conhecimentos dos meandros da campanha, dos contatos, que ele conteve". "Ele poderia ter colocado coisas muito mais perigosas se fossem faladas, mas ele nunca falou", afirma o oficial da reserva.

O deputado federal Julian Lemos (PSL-PB) dividiu com Bebianno a coordenação da campanha de Jair Bolsonaro à presidência e, como ele, tornou-se desafeto do presidente e de seus filhos. Também ouviu do ex-ministro a informação sobre a existência das mensagens.

"Existe uma carta no exterior e outra no Brasil. Ele falou há algum tempo isso pra mim e voltou a repetir recentemente", conta o deputado. "Não sei te falar se essa carta vai vir a público, porque a família dele é bem pacata. O búfalo ali era ele".

Perguntado se sabia qual o teor das mensagens, Lemos responde: "Não sei, nem quero saber".

Deputado Julian Lemos (PSL-PB) - Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Deputado Julian Lemos (PSL-PB)
Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O parlamentar diz que Bebiano foi "assassinado" pelas leviandades, pelas injustiças, pela decepção e pelos ataques a sua reputação. "Era um homem de bem, era bem casado, amava seus filhos e passou a ser acusado de coisas que jamais fez. Só praticou o bem a Bolsonaro. Tinha excesso de zelo e não falta de caráter, sou testemunha disso", garante, referindo-se às acusações de traição feitas pelo presidente.

Lemos lembra que tudo que havia no partido dependia das assinaturas dele e de Bebianno. "Não tinha porra de filho, éramos só eu e ele. Era um cara muito correto. Vi ele chorando de emoção nos braços de Jair, que no fim abandonou o cara".

O general Santa Rosa diz que também testemunhou a decepção de Bebianno. "Ele se dava muito bem com a imprensa e por conta disso Carlos Bolsonaro achava que vazava informações", explica. "Era, na verdade, uma pessoa de bom relacionamento, que sabia se expressar, nada a ver com vazamento. Foi mal interpretado porque tem alguns imaturos no âmbito do palácio que não entendem, acham que tem que discriminar o outro lado".

O oficial lembra que um dos últimos embates entre Bebianno e Carlos foi por causa da ideia de criar uma "Abin paralela" para investigar os adversários.

"Carlos queria colocar um sistema de inteligência no Planalto, mas Gustavo não concordou. Além disso, o pessoal militar não concordou", diz ele. "Não existe Abin paralela, mas houve a tentativa. O próprio presidente quando soube não alimentou a ideia".

Sobre as cartas com os segredos de Bebianno, nenhum dos dois sabe se no caso de morte natural o conteúdo será tornado público.

Chico Alves