PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Delírios de Bolsonaro e seus militares deixam Brasil real à deriva

Presidente Jair Bolsonaro em solenidade com militares - Equipe de transição/Rafael Carvalho
Presidente Jair Bolsonaro em solenidade com militares Imagem: Equipe de transição/Rafael Carvalho
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

06/08/2021 15h09

Há algumas semanas o Brasil está paralisado por causa de uma discussão sem pé nem cabeça. O presidente Jair Bolsonaro intensificou seus ataques ao processo eleitoral brasileiro e aumentou as ameaças golpistas caso a votação em urnas eletrônicas seja mantida como está. Não apresentou qualquer indício de fraude para sustentar seus ataques, apenas vídeos e argumentos que todos sabem que são falsos.

Apesar disso, diante da ameaça golpista de Bolsonaro e sua campanha para descredibilizar as urnas eletrônicas, este virou o assunto predominante no país.

A rotina de mais de 800 mortes diárias por covid-19 e os alertas sobre o perigo que representa a variante delta não interessam ao presidente.

Também ficaram em segundo plano a alta no preço dos alimentos, a taxa estratosférica de desemprego, o aumento do desmatamento, a fuga de investimentos estrangeiros, o pagamento dos precatórios...

Esses e outros assuntos fundamentais para os brasileiros aparecem apenas de forma meteórica na pauta presidencial. Bolsonaro só quer saber de insuflar seus apoiadores a pedir voto impresso, insultar ministros do Supremo Tribunal Federal e Tribunal Superior Eleitoral e repetir ameaças golpistas.

A desenvoltura com que o presidente faz avançar seu roteiro insólito só é possível porque muitos oficiais de alta patente das Forças Armadas deliram junto com ele. Críticas desproporcionais ao STF, crença na cloroquina, paranoia comunista, negacionismo ambiental, tudo isso é compartilhado por muitos generais, brigadeiros e almirantes.

É esse grupo que está no poder.

A outra parcela desses chefões fardados, aquela que acredita na ciência, na institucionalidade e na separação entre militarismo e política, se mantém discreta — como, aliás, recomenda o regulamento da caserna.

Os militares que estão visíveis, no entanto, acabam representando para o país as Forças Armadas.

Isso causa prejuízo aos próprios militares, que 35 anos depois voltam a ter a imagem associada ao golpismo, e provocam prejuízo maior ao país, que se sente sob chantagem tácita do presidente, enquanto os problemas reais se avolumam.

Não há dúvida de que o quadro atual só beneficia uma pessoa: Jair Bolsonaro