Topo

Constança Rezende


Advogado de Adélio Bispo deixa o caso: "Difícil e oneroso", diz

6.set.18 - Foto divulgada pela Polícia Militar de Adelio Bispo de Oliveira, que esfaqueou o então candidato à presidência Jair Bolsonaro - Polícia Militar/AP
6.set.18 - Foto divulgada pela Polícia Militar de Adelio Bispo de Oliveira, que esfaqueou o então candidato à presidência Jair Bolsonaro Imagem: Polícia Militar/AP
Constança Rezende

É colunista do UOL em Brasília. Passou pelas redações do Estadão no Rio de Janeiro, O DIA e Jornal do Commercio.

Colunista do UOL

01/11/2019 15h29

O advogado de Adélio Bispo de Oliveira, Zanone Manuel de Oliveira Júnior, disse ao UOL, nesta sexta-feira (1), que deixará o caso. A defesa do homem que esfaqueou o presidente Jair Bolsonaro (PSL), durante a campanha eleitoral de 2018, afirmou que a decisão foi tomada em comum acordo com o ajudante de pedreiro.

Zanone alegou que estava "difícil e oneroso" prosseguir com o caso. Ele citou como empecilho o deslocamento de sua equipe até a Penitenciária Federal de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, onde Adélio está preso. Segundo o advogado, seu escritório tem base em Juiz de Fora, Minas Gerais, onde ocorreu o crime.

"Fica muito difícil e oneroso para a defesa esse deslocamento, ter que olhar isso diuturnamente, com muito cuidado. O caso de Adélio também ficou mais tranquilo a partir de agora porque é uma medida de segurança", disse.

Adélio foi atestado com transtorno mental e, por isso, considerado pela Justiça como réu inimputável (isento de pena). Ele teve absolvição imprópria e internação por medida de segurança, sem prazo determinado.

"O processo do Adélio já transitou em julgado, é um processo morto, já acabou. Ele foi absolvido de maneira imprópria. Agora é só a execução. Nós entendemos que a Defensoria Pública da União, e eu já tinha discutido isso com o Adélio, poderá tomar conta disso. Só por isso. Não é nada demais", justificou.

No mês passado, Adélio pediu destituição de seus advogados e para que fosse representado pela DPU. Em setembro, ele se queixou à família, por uma carta, da falta de contato com Zanone.

Mesmo assim, o advogado contou que segue como curador de Adélio. O advogado também foi alvo de uma polêmica sobre quem o contratou e quem paga seus honorários, tema sempre explorado por Bolsonaro e seus apoiadores.

Zanone diz que foi contratado por uma pessoa que conhecia Adélio através de uma igreja que os dois frequentavam, e que recebeu R$ 5.000 para prestar um parecer jurídico. Essa pessoa nunca apareceu. Uma das linhas da Polícia Federal é que o advogado tenha assumido o caso gratuitamente, em troca da repercussão de seu nome.

Em depoimento à Polícia Federal, nesta quinta-feira (31), Adélio se recusou a fechar acordo de delação premiada. Ele manteve a versão de que agiu sozinho e negou que o atentado tenha sido encomendado.

Bolsonaro e aliados defendem que Adélio agiu a mando de terceiros e pedem mais investigação por parte da PF. Eles citam uma carta enviada por outro preso, o iraniano Farhad Marvizi, dizendo ter informações de que Adélio foi ajudado por outras pessoas para concretizar o ataque.

A polícia, porém, desconfia da veracidade da carta. O iraniano teria o hábito de mandar correspondências para personalidades, com afirmações sem sentido. A PF ainda não achou provas participação de supostos comparsas de Adélio.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.