Topo

Constança Rezende


PF envia especialistas em crimes cibernéticos para CPMI das Fake News

A CPMI das Fake News investiga a divulgação de notícias falsas na internet  - Marcos Oliveira/Agência Senado
A CPMI das Fake News investiga a divulgação de notícias falsas na internet Imagem: Marcos Oliveira/Agência Senado
Constança Rezende

É colunista do UOL em Brasília. Passou pelas redações do Estadão no Rio de Janeiro, O DIA e Jornal do Commercio.

Colunista do UOL

21/11/2019 21h59

A CPMI das Fake News ganhou o reforço de uma equipe especializada em crimes cibernéticos da Polícia Federal. O delegado Carlos Eduardo Miguel Sobral e o perito criminal Ivo de Carvalho Peixinho vão cooperar, quando solicitados, com os trabalhos da comissão.

O pedido de apoio à PF foi feito pelo presidente da CPMI, o senador Angelo Coronel (PSD-BA), no dia 10 de setembro. Porém o requerimento só foi autorizado nesta quarta-feira (20) pela Polícia Federal.

O senador justificou o pedido "para o devido funcionamento da CPMI criada para investigar os ataques cibernéticos que atentam contra a democracia e o debate público, a utilização de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições 2018 e a prática de cyberbullying".

Sobral foi chefe do Serviço de Repressão a Crimes Cibernéticos da PF, onde atuou de 2007 a 2013. Também foi coordenador de projetos de tecnologia da informação do Ministério da Justiça e de operações de combate à pornografia infantil, à pirataria e crimes de alta tecnologia.

Integrantes da CPMI informaram que os policiais vão trabalhar junto à comissão quando demandados pelo presidente ou pela relatora do grupo, a deputada Lídice da Mata (PSB-BA). Eles terão acesso aos documentos sigilosos da CPMI autorizados pelo presidente do grupo.