Topo

Coluna

Jamil Chade


"Um animal": diplomacia mundial fica pasma com declaração de Eduardo

Eduardo Bolsonaro acena com a volta da ditadura militar em caso de radicalização da esquerda -  Agência Brasil
Eduardo Bolsonaro acena com a volta da ditadura militar em caso de radicalização da esquerda Imagem: Agência Brasil
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

31/10/2019 16h53

As declarações do deputado Eduardo Bolsonaro sobre um novo AI-5 deixam governos estrangeiros e a diplomacia internacional pasmos e preocupados com a situação no Brasil. Se a avaliação é de que o recurso à repressão faz parte de uma estratégia de comunicação com a base do eleitorado, o temor no exterior é de que a retórica cada vez mais extremada saia do controle ou que seja encampada por alas mais reacionárias.

Por enquanto, as sempre cuidadosas chancelarias estrangeiras evitam declarações públicas. Na ONU, a cautela é para evitar que uma condenação oficial aprofunde ainda mais o radicalismo da família Bolsonaro e que relatores ou certos departamentos passem a ser vistos por Brasília como "inimigos", impossibilitando seus trabalhos.

Isso não afasta, porém, o clima de inconformidade nos bastidores diante das declarações e a preocupação com o caráter do grupo no poder. O que muitos querem saber é se a declaração tem algum respaldo, ainda que sigiloso, dentro das estruturas de poder.

Um experiente mediador de conflitos como Síria ou Iemen acredita que não haveria espaço para tal ato hoje no Brasil. "Mas o que não podemos é de nos dar ao luxo de ver tal proposta ser declarada publicamente, sem uma reação de condenação", disse. "Vocês estão brincando com fogo", insistiu.

Para outro representante de alto escalão da ONU, com tensões no Chile, Haiti, Bolívia, Líbano, Espanha e tantos outros lugares, o cenário internacional não poderia comportar mais um foco de instabilidade como uma eventual crise institucional no Brasil.

Em certos gabinetes a ONU, o comportamento do filho do presidente foi levado a sério. "Não temos o direito de simplesmente ignorar repetidas ameaças feitas por um político com influência numa região", comentou um deles.

Parte da reação, porém, foi também de tristeza. Numa capital sul-americana, um embaixador foi contundente: "Jamais pensei que iria caminhar para o fim de minha carreira ouvindo tais absurdos vindos do Brasil".

Em outro governo, um ex-ministro optou por uma reação de tristeza. "Tantos de nós admirávamos o Brasil. É muito triste tudo isso. É um animal". Um ex-vice-chanceler de um país latino-americano não media palavras ao ouvir o vídeo da entrevista de Eduardo Bolsonaro. "Insanidade. Isso é real?", perguntou. "O mundo navega por mares turbulentos", lamentou.

Cartas

Em meados do ano, numa sala da ONU, a diplomacia brasileira se recusou a responder a uma pergunta se considerava ou não 1964 como um golpe de estado.

Antes, em duas outras ocasiões, o governo brasileiro recebeu duras cartas de relatores da ONU, cobrando explicações sobre o comportamento de Jair Bolsonaro e seus elogios à ditadura.

Uma das cartas foi respondida com um tom pouco comum na diplomacia. Brasília alertou ao relator a não se meter em assuntos domésticos e insistiu que 1964 se justificava.

Mas uma segunda carta sequer foi respondida pelo Planalto. O Itamaraty alegou que, dois meses depois, ainda estava reunindo informações para explicar o posicionamento do presidente. A carta se referia aos comentários do presidente sobre o desaparecimento de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, pai do atual presidente da OAB, Felipe Santa Cruz.

"Qualquer pessoa que obstrua as investigações ou retenha tais informações pode ser responsabilizada pela continuação do cometimento de um desaparecimento forçado", alertaram os relatores da ONU, num recado direto para o presidente.

Em julho, Bolsonaro disse que poderia "contar a verdade" sobre como o pai de Santa Cruz desapareceu na ditadura militar. O atual presidente da OAB é filho de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, integrante do grupo Ação Popular (AP), organização contrária ao regime militar.

Enviada no dia 13 de agosto, a carta da ONU solicitava uma resposta do estado brasileiro num período de 60 dias. O prazo já se esgotou e, nem assim, uma resposta foi apresentada.

De acordo com a carta enviada pela ONU, o desaparecimento forçado do Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira foi investigado pela Comissão Nacional da Verdade, que concluiu que ele foi "preso e assassinado por agentes do Estado brasileiro e continua desaparecido".

Depois de ser preso em 1974, ele nunca mais seria visto. Num dos relatos, ex-delegado do Dops, Cláudio Guerra, explicou que o corpo de Fernando foi incinerado num forno de uma usina de açúcar.

Jamil Chade