PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


Chanceler palestino diz que Eduardo Bolsonaro age de forma "irresponsável"

Assentamento israelense na Cisjordânia; palestinos dizem que existência dessas comunidades inviabiliza criação de Estado próprio - AFP
Assentamento israelense na Cisjordânia; palestinos dizem que existência dessas comunidades inviabiliza criação de Estado próprio Imagem: AFP
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

25/02/2020 04h00

O chanceler palestino, Riyad al-Maliki, critica duramente o deputado Eduardo Bolsonaro, presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara e filho do presidente Jair Bolsonaro.

Em especial, Al-Maliki se mostrou irritado com o apoio dado pelo filho do presidente aos assentamentos de Israel em terras palestinas, ocupações que são consideradas como ilegais pelo direito internacional. Em dezembro, o deputado esteve no assentamento em Psagot, na Cisjordânia.

Em 2019, o governo brasileiro modificou de forma radical sua posição no Oriente Médio. O Itamaraty deixou de votar em resoluções da ONU em defesa dos interesses palestinos e anunciou que pretendia abrir uma embaixada do Brasil em Jerusalém. No início do ano passado, o comportamento chegou a levar o Hamas a criticar o governo brasileiro, pela insinuação de que poderia reconhecer a cidade sagrada como capital de Israel.

Al-Maliki, um dos principais políticos palestinos e que já ocupou diversos ministérios, reconhece que, em um ano, houve uma moderação no comportamento do governo brasileiro em relação ao Oriente Médio. A embaixada não foi aberta e apenas um escritório comercial foi estabelecido.

"A posição brasileira se relaxou um pouco, comparada à forma que começou", disse o chanceler. "No começo, era muito agressivo, totalmente pró-Isarel. Negligenciavam até mesmo o interesse nacional do Brasil, com impacto possível para o comércio, história, as relações políticas e o papel que o Brasil tinha como uma potência regional", alertou o chefe da diplomacia palestina.

"Estávamos preocupados. Amamos o Brasil. Sempre sentimos que o Brasil era um grande irmão, cuidando dos pequenos. De repente, o que vamos é que o grande irmão disse que não se importaria mais e que iria virar a cara", disse.

"Parece que, com o tempo, as coisas estão mais maduras no governo. O Congresso está tendo um papel importante, a câmara de comércio equilibrou um pouco a ação. Mas ainda estou preocupado com algumas vozes, como a de Eduardo Bolsonaro, que de forma insistente veio e visitou assentamentos na Cisjordânia, uma violação do direito internacional. Isso é uma imagem ruim para o Brasil. Ficamos tristes com isso", declarou o chanceler.

"Isso refletiu a reação mais irresponsável. A forma pela qual agiu. Não quero julgar o Brasil pela ação de Eduardo. Quero julgar o Brasil pela decisão de todos os membros. Isso é o importante", apontou.

"Queremos manter boas relações com o Brasil, como era. Se quer ter uma amizade com Israel, não vemos problemas. Mas não às nossas custas", alertou.

Plano de Paz

Mas o Brasil, mais recentemente, anunciou seu apoio ao plano de paz de Donald Trump para o Oriente Médio. O projeto foi recusado pelos palestinos e foi considerado por especialistas na ONU como uma violação do direito internacional.

"Ouvi isso do ministro de Relações Exteriores (Ernesto Araújo). Lamentamos. Mas ele pertence à mesma escola de Eduardo e tem o mesmo termo de referência", declarou.

"Queremos desenvolver nossas relações. Esperamos que ouçam nosso apelo", completou o ministro.

Jamil Chade