PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


Com mais de 700 km, relâmpago no Brasil bate recorde mundial

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

26/06/2020 07h00

Cientistas registram no Brasil a maior dimensão de um relâmpago já identificado. Nesta sexta-feira, o comitê de especialistas da Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou que estabeleceu dois novos recordes mundiais para a maior distância relatada e a maior duração para um único relâmpago.

"A maior extensão do mundo para um único raio cobriu uma distância horizontal de 709 km no sul do Brasil em 31 de outubro de 2018", indicou a entidade. "Isso é equivalente à distância entre Boston e Washington DC ou entre Londres e a fronteira da Suíça perto da Basileia", apontam os cientistas. O grupo contou com a participação de Rachel Albrecht, da USP, além de especialistas chineses, americanos e europeus.

raio - Divulgação/Organização Meteorológica Mundial - Divulgação/Organização Meteorológica Mundial
Imagem: Divulgação/Organização Meteorológica Mundial

O novo recorde foi registrado graças às novas tecnologias de imagens de satélite, mais do dobro dos valores anteriores medidos nos Estados Unidos da América e na França. .

Além do caso brasileiro, a OMM ainda registrou outro recorde: a maior duração para um único relâmpago, com 16,73 segundos de um raio que se desenvolveu sobre o norte da Argentina em 4 de março de 2019.

"Estes são registros extraordinários de eventos de relâmpagos únicos. Os extremos ambientais são medições vivas do que a natureza é capaz, assim como o progresso científico em poder fazer tais avaliações. É provável que ainda existam extremos ainda maiores, e que seremos capazes de observá-los à medida que a tecnologia de detecção de raios melhora", disse o professor Randall Cerveny, um dos chefes da OMM.

Para ele, essas informações são "valiosas para estabelecer limites à escala dos raios -para a engenharia, segurança e preocupações científicas".

raio brasil - Divulgação/Organização Meteorológica Mundial - Divulgação/Organização Meteorológica Mundial
Imagem: Divulgação/Organização Meteorológica Mundial

O recorde anterior para a maior distância detectada para um único relâmpago foi de 321 km em 20 de junho de 2007, no estado norte-americano de Oklahoma..

O recorde anterior de duração foi para um único relâmpago que durou continuamente por 7,74 segundos em 30 de agosto de 2012 sobre Provence-Alpes-Côte d'Azur, França.

A OMM alerta que os raios são um "grande perigo" e as descobertas são importantes para segurança.

Jamil Chade