PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

OMS: aprovação de vacina depende de ciência, não de nacionalidade

China vacina - Xinhua
China vacina Imagem: Xinhua
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

23/10/2020 06h26


A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que decisões sobre o uso de eventuais vacinas por governos contra a covid-19 não devem levar em conta a nacionalidade do produto. Mas sim sua eficácia e segurança.

"Não é sobre nacionalidade. É sobre ciência", disse a porta-voz da OMS, Margaret Harris, nesta sexta-feira. Seu comentário foi feito em resposta a uma pergunta da coluna sobre a decisão do presidente Jair Bolsonaro de não comprar o produto chinês desenvolvido num acordo com o Instituto Butantan em São Paulo.

"Da China nós não compraremos, é decisão minha", disse o presidente na quinta-feira. "Eu não acredito que ela (vacina) transmita segurança suficiente para a população pela sua origem", declarou.

"Acredito que teremos a vacina de outros países, até mesmo a nossa, que vai transmitir confiança para a população. A da China, lamentavelmente, já existe um descrédito muito grande por parte da população, até porque, como muitos dizem, esse vírus teria nascido lá", completou.

Na OMS, a avaliação é outra. Para a entidade, o que vai determinar a aprovação de uma vacina é sua eficácia e segurança. E não quem a produz. "Escolhemos a ciência", insistiu Harris.

Segundo ela, nenhuma vacina será aprovada enquanto os "mais altos padrões" não sejam atingidos.

Mundo pode depender de fornecimento chinês

Internamente, as agências internacionais que operam o consórcio Covax alertam que a realidade é de que o mundo pode viver uma forte dependência em relação às vacinas produzidas na China.

Com base nas estimativas de expansão de produção, as entidades apontam que 49% da produção mundial das vacinas contra a covid-19 virão da China em 2023. Ou seja, 7 bilhões de doses. Brasil e Estados Unidos, juntos, produziriam cerca de 2 bilhões de doses.

No "time" chinês estão entidades como Beijing Institute of Biological Products Beijing, SinoCellTech e a Sinovac, a empresa que fechou o acordo com a entidade paulista.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL