PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Seja 2ª onda ou aumento, fato é que covid-19 cresce no Brasil, diz OMS

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Gebreyesus, em Genebra -
Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Gebreyesus, em Genebra
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

30/11/2020 14h00

Resumo da notícia

  • Diretor-geral da OMS alertou que Brasil "terá de ser sério" sobre a nova fase da crise sanitária

O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Gebreyesus, qualificou como "muito preocupante" o salto no número de novas infecções da covid-19 e mortes no Brasil. Em sua coletiva de imprensa em Genebra, ele ainda disse que o país terá de ser "muito sério" diante da nova situação e destacou como os novos casos dobraram em menos de um mês.

Abandonando uma postura que se transformou em sua marca de evitar falar de países diretamente, Tedros fez questão de lançar seu alerta sobre a situação brasileira.

Tedros lembrou como, em seu momento mais crítico, o Brasil registrou 319 mil novos casos por semana. O número, segundo ele, foi um recorde. "A boa notícia é que o número estava em queda até a semana de 2 de novembro, quando 114 mil casos foram registrados no Brasil", disse. "Foi um terço do que foi registrado quando atingiu o seu climax", destacou.

Mas, segundo ele, os números voltaram a crescer de forma importante e, na semana de 26 de novembro, a taxa chegou a 218 mil casos por semana. "Os números mais uma vez dobraram", alertou, insistindo que o período de expansão representou menos de um mês.

Ele também deixa claro sua preocupação em relação ao número de mortes. De acordo com ele, foram 2.538 mortes na semana do dia 2 de novembro. Agora, chega a 3.876 na semana do dia 26 de novembro. "Esse é um aumento significativo", disse.

"O Brasil terá de ser muito, muito sério", insistiu. Ele admite que existem diferentes regionais e que a transmissão local precisa ser considerada. "Mas, de forma agregada, é muito preocupante", completou.

Instantes depois, ao responder uma pergunta sobre a situação mexicana e o fato de o presidente local não usar máscaras, Tedros voltou a lançar um alerta a todos os líderes que adotam tal postura. "Queremos que líderes sejam modelos", pediu.

Agir rapidamente

Um dia depois das eleições municipais, a cidade de São Paulo vai passar para a fase amarela do Plano SP, reduzindo os horários de funcionamento do comércio e de serviços.

Mike Ryan, diretor de operações da OMS, também alertou que o momento para países como o Brasil era de "agir rapidamente" para frear a nova expansão. Segundo ele, a atenção deve ser concentrada em regiões e que cada local deve ser avaliado de uma forma diferenciada.

Ryan diz ser irrelevante como governos irão qualificar esse período e não entra o debate se o Brasil e outros vivem uma segunda onda ou apenas um novo salto de casos. "Se chama segunda onda ou aumento, o fato é que o número cresce", alertou.

Para ele, as autoridades devem agir para apoiar o sistema de saúde. Na sexta-feira, ele já tinha alertado sobre o risco de um segundo golpe contra a saúde pública no Brasil e insistiu que governos estaduais e o Palácio do Planalto precisariam agir de forma coordenada desta vez.

Natal: evitar "jogar com vidas"

A OMS ainda fez questão de alertar sobre os riscos das festas de final de ano. Para a entidade, ir a um jantar ou reunir a família vai depender de onde cada pessoa estiver e a taxa de expansão da doença. Para Tedros, cada um terá de pensar se uma festa vale arriscar uma vida. "Precisamos considerar com quais vidas vamos jogar", alertou.

"A primeira pergunta que se deve fazer é se precisamos viajar", disse o diretor, apontado para os cuidados no transporte. Ele também pede que encontros com várias famílias sejam evitados, que máscaras sejam usadas e que compras em locais de aglomeração sejam também evitados.

Tedros sugere privilegiar compras online e encontros ao ar livre. "No período de festas, não é momento de complacência", pediu.

Para ele, a pandemia vai terminar e recomenda que amigos façam planos para se encontrar quando seja seguro.