PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Brasil faz agenda de Trump sobreviver e usa ONU como palco ideológico

O presidente dos EUA, Donald Trump, cumprimenta o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, na Casa Branca - Reprodução/Twitter
O presidente dos EUA, Donald Trump, cumprimenta o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, na Casa Branca Imagem: Reprodução/Twitter
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

22/02/2021 17h53

Mais de 2 milhões de mortes. Milhões de infectados, muitos com sequelas para toda a vida. Famílias destruídas, desigualdade se aprofundando e apelos seguidos de lideranças internacionais para que a saúde das populações seja colocada como prioridade. Variantes ganhando terreno e mesmo governos que inicialmente hesitaram em adotar medidas agora admitindo que a única forma de lidar com a economia é, antes de mais nada, freando o vírus.

Mas, nesta segunda-feira na ONU, os discursos de ministros brasileiros chocaram experientes negociadores e a sociedade civil pela distância que estão da realidade. Representando a ala mais dura do Bolsonarismo, Ernesto Araújo e Damares Alves participaram por vídeo da abertura do Conselho de Direitos Humanos da ONU. A tribuna da entidade foi, por alguns minutos, transformada em um megafone de ideologia e argumentos que flertam com teorias de conspiração.

Com sua bandeira da Ordem de Cristo no fundo, o chanceler brasileiro surgiu no vídeo diante do mundo com uma cruzada contra o confinamento. Para ele, populações estão sacrificando suas liberdades em troca de saúde, um discurso que ecoa o que grupos negacionistas usam para contestar até mesmo o uso da máscara e que era aplaudido na Casa Branca de Donald Trump.

De todas as ameaças aos direitos humanos no Brasil, Araújo escolheu como centro de seu discurso a censura na Internet, bandeira que ele assumiu depois que Trump, sua milícia digital e sites propagadores de desinformação foram silenciados.

O chanceler já havia sido alvo de críticas na semana passada quando, numa carta, um senador americano alertou que tal postura era, de fato, um sinal verde ao terrorismo doméstico.

Se na Europa o controle das redes por plataformas digitais também é alvo de uma preocupação, as autoridades em Bruxelas se recusam a indicar que tal postura signifique carta branca para a desinformação.

Entre diplomatas estrangeiros, os discursos brasileiros na ONU confirmaram o que muitos mais temiam: sem Trump no cenário internacional, o Brasil assumirá em parte a função de defesa do radicalismo ultraconservador e da propagação de desinformação.

Além do tom usado sobre a pandemia e sobre o "tecno-totalitarismo", a intervenção brasileira foi marcada por um recado sobre a posição antiaborto do governo e por uma nova maneira de desenvolver a Amazônia. Em nenhum momento, o desmatamento foi colocado como uma ameaça, e nem as mudanças climáticas.

"Tínhamos desenhado duas opções para o Brasil: moderar o discurso ou aprofundar o radicalismo, na era pós Trump", contou um diplomata europeu. "Brasília parece ter optado pela segunda via", disse.

Para delegados latino-americanos, a postura do governo indicou que as negociações de resoluções nas próximas semanas exigirão "horas de zoom".

O discurso também deixou a sociedade civil preocupada. "Descolados da realidade mundial de enfrentamento à pandemia, Ernesto Araújo insinua contraposição entre defesa da liberdade e da saúde ao falar de lockdown e Damares Alves distorce informações sobre vacinação ao dizer que país teria garantido a imunização de idosos, quando faixas etárias de idosos sequer foram convocados", afirmou Camila Asano, diretora de programas da Conectas.

Para ela, os representantes do Brasil dão "indicações problemáticas" sobre como será o posicionamento do país nas negociações e nas votações das resoluções na ONU das próximas semanas. "A defesa da ideia de vida desde a concepção, embora em contraposição ao que diz nossa constituição e decisões do Supremo, recebeu destaque na fala da ministra", lembra a especialista.

"Os discursos do governo brasileiro foram deploráveis, combinando omissões, desinformação e fantasmagoria ideológica", disse Sonia Correa, pesquisadora da ABIA - Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS e co-coordena o Observatório de Sexualidade e Política (SPW).

"O ministro Ernesto omitiu sem nenhum pudor a carnificina decorrente da COVID 19 no Brasil, esquecendo por completo que o direito a saúde está gravado no texto constitucional e, que, em 1993, o Brasil foi o negociador principal dessa definição na Declaração de Direitos Humanos de Viena", afirmou a ativista.

Já Damares falou da Amazônia para "inglês ver". "Omitiu a elevada mortalidade entre povos indígenas, especialmente entre as pessoas idosas que são guardiãs da memória cultural", insistiu Sônia.

"E, sobretudo, evacuou de seu discurso a catastrófica violação do direito a saúde e direito a vida ocorrida em Manaus onde, como se sabe no mundo inteiro, as pessoas morreram asfixiadas por falta de oxigênio", analisou.

Damares também falou de proteção às crianças, sem mencionar o episódio da menina estuprada no Espírito Santo cujo acesso ao aborto legal ela tentou impedir por todos os meios. "Mentiu ao sugerir que todos profissionais de saúde e pessoas idosas estão vacinados no país", completou.

Em sua avaliação, para os porta-vozes do atual governo, a ONU parece ser nada mais que tribuna para reafirmação de suas visões ideológicas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL