PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Brasil receberá em março 3 milhões de doses de vacina de consórcio mundial

                                  -                                 DAY SANTOS/JC IMAGEM
Imagem: DAY SANTOS/JC IMAGEM
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

26/02/2021 14h09

A Covax, a aliança criada para garantir a distribuição de vacinas pelo mundo, anunciou ao governo nesta sexta-feira a que o Brasil receberá 2,99 milhões de doses do imunizante no mês de março. Entre abril e maio, outras 6,1 milhões de doses chegarão ao país. As datas exatas ainda dependem de processos burocráticos. Todas as vacinas são da AstraZeneca.

Nesta semana, a aliança pode finalmente dar início à distribuição de vacinas aos países pobres, com remessas de doses para Gana e outros países africanos.

No mês passado, a entidade já tinha declaro que o Brasil receberia um total de quase 10 milhões de doses das vacinas da AstraZeneca e que esse volume chegará ao país até junho, começando com entregas limitadas a partir do final de fevereiro ou início de março.

A aliança, em email à coluna, confirmou que o Brasil receberá um quarto desse total no primeiro trimestre, com cerca de 2,5 milhões de doses. Esse número poderá chegar a 3,5 milhões se o abastecimento for confirmado. O restante ficará apenas para o segundo trimestre.

Das 170 milhões de doses que a entidade receberá para distribuir ao mundo da AstraZeneca, 15% serão disponibilizados à aliança até março.

Os dados se contrastam com o anúncio do Ministério da Saúde que, no fim de semana, disse que o Brasil receberia entre 10 milhões e 14 milhões de doses "a partir de fevereiro". O governo não explicou em sua nota o prazo em que essas entregas seriam realizadas. Brasília tampouco explicou que o volume de 14 milhões se referia ao total contratado, e não à entrega imediata.

A coluna revelou que o governo havia omitido informações e que, de fato, o Brasil apenas receberia uma parcela menor das vacinas no primeiro trimestre de 2021.

No total, cerca de 145 países receberão doses da aliança. Em proporção ao tamanho de suas populações, alguns outros países receberão mais que o Brasil. A República Democrática do Congo, por exemplo, terá 7 milhões de doses. Mas com uma população que não chega a ser sequer metade da brasileira.

De acordo com o mapeamento apresentado, cinco países receberão mais doses em números absolutos que o Brasil:

Índia - 97 milhões de doses

Paquistão - 17 milhões de doses

Nigéria - 16 milhões de doses

Indonésia - 13,7 milhões de doses

Bangladesh - 12 milhões de doses

O Brasil, ao assinar o contrato com a aliança, optou por fazer o menor pedido possível no acordo que era proposto. O governo solicitou doses para apenas 10% de sua população.

No total, o Brasil comprou 42 milhões de doses da Covax. Mas os dados indicam que, no primeiro semestre, menos de um quarto deste total desembarcará no Brasil. A Covax admitiu que, no primeiro semestre, irão enviar aos países mais pobres 250 milhões de doses, 153 milhões a menos do que estava planejando.