PUBLICIDADE
Topo

Emendas de Guedes soam pior que seus sonetos

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

14/02/2020 19h52

Depois de comprar briga com os servidores e as domésticas, Paulo Guedes se arrisca a ficar mal com os professores. Em conversa com empresários, o ministro declarou que, além de economista, é professor. Atribuiu a um hipotético tom professoral a polêmica provocada por sua tese segundo a qual o dólar caro, a mais de R$ 4,30, é bom para deter o número de visitas a Mickey Mouse. "Empregada doméstica indo para a Disneylândia, uma festa danada, peraí!", dissera o "professor".

As emendas de Paulo Guedes, por reincidentes, começam a soar piores do que os sonetos. Bons professores possuem —ou deveriam possuir— o dom da palavra. No caso do ministro, os tropeços verbais —AI-5, parasitas, domésticas...— passam a impressão de que seu cérebro começa a funcionar no momento em que acorda e não para até o instante em que leva um microfone aos lábios para dirigir meia dúzia de palavras a uma plateia.

Aos pouquinhos vai se consolidando uma convicção. Das três maneiras para se atingir o desastre, acreditar em promessa de político é a mais rápida; a bebida, a mais agradável; e escutar o professor-economista Paulo Guedes, a mais segura."

Josias de Souza