PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro arrasta tornozeleira junto com Queiroz

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

11/07/2020 05h35

Quando escreveu sobre seu sonho de ir embora para Pasárgada, onde era amigo do Rei, Manoel Bandeira imaginou que traduzia o desejo de todos. Não poderia supor que, sob Jair Bolsonaro, a proximidade com o Rei viraria suplício. Amigo do monarca há mais de três décadas, Fabrício Queiroz vive numa anti-Pasárgada.

Queiroz teve de trocar todos os atrativos da terra desejada pelo poeta —ginástica, bicicleta, burro brabo, pau-de-sebo, banho de mar, beira de rio e até a mulher desejada na cama escolhida— por um apetrecho sem nenhum glamour: a tornozeleira eletrônica.

A Pasárgada comandada por Bolsonaro virou uma monarquia sui generis. Nela, reina o medo. Seminus, o Rei e o príncipe Zero Um temem a nudez que seria provocada por uma delação. É esse medo que atenua o drama de Queiroz.

O consolo do amigo tóxico, transferido de uma cela em Bangu 8 para a reclusão domiciliar, é a certeza de nunca estar realmente sozinho. Ainda que sua mulher Márcia não se juntasse a ele, Queiroz estaria com Deus, consigo mesmo e com as sombras de Jair e Flávio Bolsonaro. Dá até para jogar pôquer.

Juridicamente, a liminar que retirou Queiroz da cadeia e ofereceu à mulher dele a opção de interromper a fuga retirou momentaneamente do baralho a carta da delação premiada. Politicamente, o despacho redentor do presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio Noronha, acorrentou a Presidência de Bolsonaro na língua de Queiroz.

É como se o presidente arrastasse a tornozeleira junto com o amigo, recitando seu novo slogan: "Silêncio acima de tudo, Centrão acima de todos." Na Pasárgada de Bolsonaro, a perversão inverte posições. O Rei está sujeito à condição humana. Cheio de medo, é solidário nos bastidores.

O risco de delação faz de Queiroz o soberano, não o súdito. Seu silêncio é o privilégio ao contrário. O Rei recebe a graça de não ser desnudado, se for um amigo zeloso.

Siga o UOL no

Josias de Souza