PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Governo cria versão sanitária do toma lá, dá cá

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

23/07/2020 01h40

Segundo a superstição bolsonarista, Eduardo Pazuello é um general altamente qualificado, com especialização em logística. Que seja. A pasta da Saúde, comandada por ele, é estratégica na guerra contra o coronavírus. Dispõe de R$ 38,9 bilhões de verba extraordinária reservada desde março para socorrer estados e municípios no combate à pandemia. Segundo o TCU, o ministério havia liberado apenas 29% desse dinheiro —coisa de R$ 11,4 bilhões— até o final de junho.

A verba extra foi providenciada para que o estado brasileiro entrasse na guerra bem equipado. Mas um combate não consiste apenas em ter bom arsenal e sim em usar bem as armas que se tem.

Em nenhuma outra área do governo houve tanta movimentação como na Saúde. Fica claro agora que movimento não se confunde com ação. Ao contrário. A queda de dois ministros, a interinidade de mais de dois meses do general e a substituição de quase três dezenas de técnicos por militares pode ter contribuído para travar a máquina do ministério.

O relatório do TCU levanta outros dois pontos preocupantes. O primeiro é a falta de critério na distribuição do dinheiro. O segundo é a suspeita de que localidades governadas por adversários políticos possam estar sendo preteridas.

"Chama a atenção", diz o documento do tribunal de contas, "o fato de Pará e Rio de Janeiro terem, respectivamente, a segunda e a terceira maior taxa de mortalidade por Covid-19, mas serem duas das três unidades da federação que menos receberam recursos em termos per capita para a pandemia."

Os brasileiros que vivem no Rio e no Pará enfrentaram dois inimigos. Além do vírus, tiveram o dissabor de lidar com a patologia da corrupção. Desviou-se até verba de respirador de UTI. Mas os dois fenômenos —a omissão no gerenciamento da verba que compra remédios e a ladroagem— matam. E normalmente morrem os pacientes pobres.

Num país comandado por um presidente que acaba de receber o terceiro diagnóstico positivo para o coronavírus, o mínimo que o governo pode fazer é cumprir a sua parte. O primeiro passo é a transparência.

Tudo leva a crer que o país ainda discutirá muito sobre verbas da saúde, porque, no momento, o Planalto promove uma distribuição de verbas da pandemia por meio de parlamentares. Deputados e senadores indicam onde aplicar o dinheiro. Inventou-se uma versão sanitária do toma lá, dá cá. Isso não vai acabar bem.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Josias de Souza