PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Bolsonaro dedica-se a governar as redes sociais

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

30/12/2020 19h04

Admita-se que há três grandes problemas sobre a mesa: a ruína fiscal, o desemprego e a vacina. Bolsonaro não tem nada de muito relevante a dizer sobre nenhum desses temas. Em vez de governar os problemas, é governado por eles. Gasta o tempo livre de que dispõe distribuindo culpas e governando as redes sociais. Despeja nelas polêmicas e aglomerações.

Na visão de Bolsonaro, o desemprego é culpa de governadores e prefeitos, a "turma do fique em casa". A ruína fiscal é culpa do vírus, que forçou o governo a exercitar sua generosidade, distribuindo auxílio emergencial aos pobres e socorro financeiro a empresas, estados e municípios. A falta de vacinas é culpa dos fabricantes, que desdenham de um mercado vasto como brasileiro.

Se houvesse presidente em Brasília, ele estaria empenhado em recolocar nos trilhos a pauta de reformas econômicas. Isso sinalizaria apreço pela responsabilidade fiscal, que atrairia investimentos, que criariam empregos. Combinando-se tudo isso com a vacinação, o Brasil se encaminharia para algo mais parecido com a normalidade.

Neste final de ano, com suas obsessões bem encaminhadas, Bolsonaro foi à praia. Hospedou-se à custa do erário no Forte dos Andradas, uma confortável hospedaria militar, assentada no Guarujá (SP). Dispõe de praia privativa, com 400 metros de extensão. Mas o capitão e o coronavírus não gostam de privacidade.

Bolsonaro precisa ver e, sobretudo, ser visto. O vírus depende das aglomerações para infectar. Estabeleceu-se uma parceria. O capitão trocou seus 400 metros de intimidade por uma aparição na Praia Grande. O corona, presença invisível, serviu-se das cenas produzidas por seu aliado infeccioso.