PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

CPI analisa quebra de sigilo de Carluxo, Wajngarten e número 2 de Pazuello

Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

17/05/2021 02h09

Bolsonaro havia solicitado ao senador Jorge Kajuru que o ajudasse a fazer "do limão uma limonada" na CPI da Covid. A voz do presidente soou assim na gravação do telefonema: "Se não mudar a amplitude, a CPI vai simplesmente ouvir o Pazuello".

Em sessão marcada para quarta-feira, Eduardo Pazuello revelará por que Bolsonaro receia tanto o depoimento do general que ele colocou no Ministério da Saúde. Antes, a comissão discutirá um lote de providências com potencial para "mudar a amplitude" da investigação, distanciando-a do refresco de limão.

Estão sobre a mesa requerimentos de quebra de sigilo que vão de Carlos Bolsonaro, o Carluxo, filho Zero Dois do presidente, a Fábio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação da Presidência.

A lista inclui também: Filipe Martins, assessor internacional da Presidência, o coronel Élcio Franco, número 2 da pasta da Saúde na gestão de Pazuello; e Marcos Eraldo Arnoud, o Markinhos Show, marqueteiro que atuava como assessor especial de Pazuello.

No caso de Carlos Bolsonaro, deseja-se quebrar os sigilos telefônico e telemático, que inclui a troca de mensagens de e-mail e WhatsApp. Em relação aos demais, pede-se também a abertura dos sigilos bancário e fiscal.

A ideia é que os requerimentos sejam apreciados na sessão desta terça-feira, dia em que a CPI interrogará o ex-chanceler Ernesto Araújo. A aprovação depende de entendimento no âmbito do G7, o grupo que dá à CPI uma maioria de conteúdo oposicionista.