PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Jair Bolsonaro lança Pacheco no rol dos 'traidores'

só para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

04/08/2022 09h44

Rodrigo Pacheco beliscou os nervos mais sensíveis de Bolsonaro. Discursando na condição de chefe do Poder Legislativo, o senador enalteceu a democracia, referiu-se às urnas eletrônicas como um "orgulho nacional", elogiou o trabalho da Justiça Eleitoral, pediu a "pacificação de ânimos" e sustentou que o debate político precisa ser escorado em "verdades" e "ideias". Não citou o nome do presidente da República uma mísera vez. Mas Bolsonaro vestiu todas as carapuças.

Em privado, Bolsonaro dedicou a Pacheco expressões de calão rasteiro. Nos trechos publicáveis, chamou o senador de "ingrato" e "traidor". Bolsonaro atribui a eleição de Pacheco à presidência do Senado e do Congresso ao apoio do Planalto. Daí a menção à ingratidão. Avalia que o senador, em campanha para ser reconduzido ao cargo, aliou-se a Lula. Por isso se queixa de traição.

Bolsonaro considerou "imprestável" todo o discurso de Pacheco. Mas dois trechos deixaram o presidente especialmente transtornado. Num, o senador enalteceu o trabalho de Edson Fachin, atual presidente do TSE, e de Alexandre de Moraes, que assumirá o comando da Corte eleitoral em 16 de agosto. Noutro, Pacheco disse que a disputa eleitoral deve se basear em "verdades e boas propostas".

Fachin não perde oportunidade para realçar que as críticas de Bolsonaro ao sistema eleitoral são mentirosas. Moraes é relator de um inquérito em que o presidente é associado à difusão de fake news. Bolsonaro interpretou as palavras de Pacheco como um endosso do senador aos ataques de Fachin e às investigações conduzidas por Moraes.

No fundo, Bolsonaro é ingrato com Pacheco, não o contrário. Antes do recesso parlamentar, o presidente do Senado articulou o sepultamento da CPI do MEC. E apressou a aprovação da PEC da reeleição. Teve um comportamento de aliado. Mas o capitão não se satisfaz com aliados. Ele quer do seu lado apenas os vassalos.