PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro, enfim, toma coragem e convoca para atos que espancam democracia

Presidente da República Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR - Presidente da República Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR
Presidente da República Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR Imagem: Presidente da República Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), “Escravidão Contemporânea” (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

07/03/2020 14h39

Bolsonaro, finalmente, tomou coragem e resolveu conclamar seus apoiadores às manifestações em defesa de si mesmo e contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal. Até agora, o presidente apenas vociferava contra os que afirmavam que ele estava ajudando nas convocações dos atos de 15 de março. Não deixa de ser um sinal de maturidade: se ele quer espancar a democracia e deixá-la para morrer no asfalto, é bom não ser covarde e assumir isso publicamente.

"Quem diz que é um movimento popular contra a democracia está mentindo e tem medo de encarar o povo brasileiro", disse ele, em um evento em Boa Vista (RR), na escala de sua viagem aos Estados Unidos, neste sábado (7).

Dessa forma, Bolsonaro tenta ressignificar os convites que circulam nas redes sociais, vinculando essas manifestações a pautas como o fechamento dos Poderes Legislativo e Judiciário, a prisão de deputados federais, senadores e ministros do STF e até um golpe militar. Para ele, esses convites devem ser apenas "espírito de humor, esportivo" - como chamou o uso de um humorista para representá-lo em uma coletiva de imprensa no dia em que o IBGE divulgou que a economia do país cresceu, em 2019, só 1,1%. Mas a tentativa carece de sinceridade.

A validade de um movimento é o respeito que ele presta à democracia. E apesar das palavras de Bolsonaro deste sábado - "Participem, não é um movimento contra o Congresso, contra o Judiciário. É um movimento pró-Brasil" - não é isso que tem sido visto nas convocações e nos ânimos dos envolvidos. Que se embriagaram, diga-se de passagem, no "foda-se" ao Congresso, sugerido por Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, que chamou parlamentares de chantagistas no dia 18 de fevereiro. Com atraso, o presidente finalmente atendeu a um pedido do general e convocou o povo às ruas.

Além disso, Bolsonaro chama de "povo brasileiro" apenas o naco que concorda com seu governo a ponto de aceitar ir às ruas defendê-lo. Ou seja, ele só reconhece como válida a opinião daqueles que repetem o que ele diz. O que faz parecer que segue a vontade popular, quando segue só sua própria vontade.

"Não somos nós políticos que dizemos para onde o Brasil deve ir. Nós apenas conduzimos. Vocês, povo, que dizem para onde ele deve ir. Então, o movimento de rua é muito bem-vindo", afirmou. "É um movimento que quer mostrar para todos nós, para o presidente, Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, que quem dá o norte para o Brasil é a população."

Mas qual população?

Os participantes dos protestos programados para o dia 18 de março, com o lema de "Ditadura Nunca Mais", com teor claramente contrário ao seu governo? Os dos atos do dia 14 de março, segundo aniversário da execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, também críticos ao seu governo e às relações de sua família com milicianos? Os das manifestações deste domingo, 8 de março, Dia Internacional da Mulher, que denunciam o machismo sobre o qual fez sua carreira? Eles não são tão brasileiros quanto àqueles que vão às ruas no dia 15?

Bolsonaro, com o discurso deste sábado, se tornou sommelier de "povo". Os que concordam com ele e sairão em sua defesa no dia 15 são seu "povo escolhido", para quem governa e presta contas. E quem se manifestar em 8, 14 e 18 não é povo, mas estorvo.

Ele certamente dirá que os eventos nesses outros dias não serão "espontâneos", mas organizados com o objetivo de criticá-lo - o que é verdade, até porque não existe protesto de massa sem organização. Mas tampouco o evento do dia 15 é um reflexo natural, pelo contrário, vem sendo bombado de dentro do Palácio do Planalto. Bolsonaro, aliás, foi traído por si mesmo ao ter que frisar, inconscientemente, no discurso que o ato que defende seu governo é um "movimento de rua espontâneo", repetindo a expressão duas vezes. Como se quisesse convencer os interlocutores de algo que ele sabe que não se sustenta.

Hoje, uma imagem pedindo o emparedamento do Congresso passa pelos olhos da maioria de nós, em grupos de WhatsApp, sem a mesma indignação que há alguns anos. Acabamos nos acostumando a esse tipo de comportamento, muitas vezes sem repudiá-lo ou limitando-nos a fazer beicinho de reprovação. Talvez pelo cansaço diante da insanidade contínua. Talvez pela não percepção de que é uma falácia a afirmação de que a democracia deve aceitar passivamente tudo, inclusive a defesa do fim da democracia.

Com isso, banalizamos a reação diante do ataque às instituições e, portanto, às estruturas que garantem minimamente nossos direitos e liberdades, a ponto dele ter se tornado parte do cotidiano - como um spam ou um daqueles "bom dia" com memes de gatinhos que os tios mandam no grupo da família. Dessa forma, algo que deveria ser encarado com extremo desgosto transforma-se em piada por "comediantes", entra nos cultos de "homens de Deus", torna-se "análise" de influenciadores em redes sociais.

Ao negar o teor autoritário presente nas convocações do 15 de março, o presidente demonstra todo seu oportunismo e hipocrisia. Mas ao convidar, publicamente, para elas, também mostra que percebeu que sua incompetência em fazer o país crescer e gerar empregos decentes já foi sentida por uma parte de seus apoiadores, sejam empresários, seja da classe trabalhadora. E precisa distrair a insatisfação.

Vale lembrar que a imensa maioria do povão não vai às ruas nos dias 15 ou 18, bem como não foi às ruas nos atos a favor e contra o impeachment anos atrás, porque estava ocupada demais pensando em um jeito de sobreviver ao dia seguinte em um país com 11,9 milhões de desempregados, quase 41% da população na informalidade (ou seja, sem direitos básicos) e um governo perdido, que teve a brilhante ideia de financiar a contratação de jovens taxando o seguro-desemprego de quem foi mandado embora.

As declarações de Bolsonaro são também um ato de desespero. Diante de uma popularidade baixa, uma economia que derrapa e um rosário de denúncias de corrupção envolvendo sua família e aliados, precisa demonstrar que tem apoio. Foi para os Estados Unidos colher uma foto para o Instagram com Donald Trump e aposta as fichas em algum ruído vindo das ruas, com a ajuda - por exemplo - de uma minoria desmiolada dos caminhoneiros que ama a ideia de golpe. A dúvida é o que acontecerá se ele perceber que não tem tanto apoio como pensava? Irá parar de atrapalhar e deixar o país se reeguer ou partirá para o tudo ou nada?

Leonardo Sakamoto