PUBLICIDADE
Topo

Leonardo Sakamoto

Bolsonaro fala de "maricas" e Biden para não falar de desemprego e Flávio

Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), ?Escravidão Contemporânea? (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

11/11/2020 01h45

Jair Bolsonaro (sem partido) é repetitivo e, portanto, previsível. Nesta terça (10), polêmicas do presidente rechearam o dia, de ataques à vacina contra o coronavírus até provocações infantis ao presidente-eleito dos Estados Unidos. Há menos de duas semanas, as polêmicas eram outras, como ofensas homofóbicas a um Estado e ataques de um de seus ministros contra o presidente da Câmara - ataques que ele não criticou em público. Há um padrão nesse processo todo. Bobagens ditas enquanto reina o silêncio sobre o que importa: geração de empregos e acusações contra seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

O que mudou de duas semanas para cá?

1) Ele trocou o xingamento homofóbico "boiola" - com o qual havia se dirigido aos maranhenses, em 29 de outubro, devido a um tradicional refrigerante cor-de-rosa - pelo xingamento homofóbico "maricas" - com o qual se dirigiu aos brasileiros que têm medo de morrer de covid-19, nesta terça (10). Durante o dia, ele havia provocado o caos insinuando que a vacina chinesa havia matado um brasileiro.

2) Ao invés da provocação infantil de Ricardo Salles, ministro das Queimadas e do Desmatamento, que chamou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) de "Nhonho", em 28 de outubro, temos uma provocação infantil de Jair Bolsonaro, insinuando que poderia ir para as cabeças com Joe Biden, presidente-eleito dos Estados Unidos, caso ele erguesse barreiras comerciais em retaliação à devastação da Amazônia. "Apenas diplomacia não dá. Quando acaba a saliva, tem que ter pólvora." Isso que é autoestima!

3) A pandemia havia matado 160 mil pessoas e, agora, já são quase 163 mil.

E o que não mudou?

1) A inflação continua galopante sobre o arroz e o feijão da população pobre, como o carnaval de Olinda: não tem hora para acabar.

2) Bolsonaro segue dedicado em garantir que as pessoas passem tanto tempo indignadas com os absurdos que ele fala que esqueçam que o Ministério Público crê que seu primogênito, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), comanda uma quadrilha que desviou e lavou dinheiro público, e depois o transformou em imóveis e votos. E esqueça o uso que ele faz das instituições a fim de defender sua cria.

3) O governo continua sem um plano para criar postos de trabalho formais, apenas um apanhado de balões de ensaio que vão sendo lançados ao vento para ver se algum sobrevive. Repete-se receituário manjado de redução de proteções trabalhistas em nome de um crescimento que sempre depende da reforma seguinte. E culpa-se a quarentena, quando foi Bolsonaro quem arrastou a pandemia por meses ao negá-la.

O contingente de desempregados chegou a 13,5 milhões de pessoas, em setembro, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) Covid do IBGE - o que representa um desemprego de 14%. Em agosto, eram 12,9 milhões. A taxa de desocupação entre as mulheres foi de 16,9%, maior que a dos homens (11,8%). Entre os negros, ele atingiu 16,1%, maior do que entre os brancos, 11,5%.

Após uma semana na defensiva como alvo de críticas por causa da derrota eleitoral de Donald Trump, Bolsonaro produziu polêmicas.

Com elas, excitou seguidores, atraiu a imprensa, alegrou militares ultranacionalistas, mostrou à extrema direita internacional que pode ocupar o vazio, lembrou aos parlamentares fisiológicos que eles são importantes para impedir um impeachment e voltou a controlar a narrativa sobre si mesmo nas redes.

Jair Bolsonaro é repetitivo e, portanto, previsível.

E nós estamos fadados a viver, como no antológico Feitiço do Tempo, com Bill Murray, num eterno Dia do Marmota.