PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Leonardo Sakamoto

Em Minas Gerais, Estado-pêndulo do Brasil, Lula tem 44% e Bolsonaro, 28%

Conteúdo exclusivo para assinantes
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), ?Escravidão Contemporânea? (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

13/05/2022 12h49Atualizada em 13/05/2022 19h08

Desde a redemocratização, Minas Gerais tem servido como um termômetro para a eleição presidencial e, ao mesmo tempo, um estado pêndulo. Quem vence no Estado acaba levando a Presidência da República.

O Amazonas também tem apontado o vencedor, mas Minas ostenta uma proporção mais semelhante à votação nacional e é demograficamente relevante, sendo o segundo maior colégio eleitoral, atrás apenas de São Paulo. Se o Estado tivesse entregue uma expressiva maioria de seus votos ao seu ex-governador Aécio Neves (PSDB), em 2014, a história daquela eleição poderia ter sido outra.

A diversidade de seus 853 municípios o torna uma espécie de amostra social e econômica do Brasil e, consequentemente, um retrato de seu comportamento eleitoral. Do Vale do Jequitinhonha, passando pelo Vale do Aço, pela Grande BH, o Sul de Minas e o Triângulo Mineiro, há áreas pobres e ricas, urbanas e rurais, industrializadas e voltadas ao agronegócio e à agricultura familiar, com regiões com características semelhantes às macrorregiões do país.

Ora Minas vota com candidatos mais à esquerda, ora vota com os mais à direita.

Isso torna a montagem de palanques para conquistar os corações e mentes dos mineiros um dos principais desafios dos pré-candidatos ao Palácio do Planalto. Pesou para Fernando Collor de Mello ter o mineiro Itamar Franco na chapa, da mesma forma que Lula contou com a ajuda do mineiro José Alencar. Hoje, Lula (PT) discute aliança com o ex-prefeito Alexandre Kalil (PSD), enquanto o governador Romeu Zema (Novo) segue ao lado de Bolsonaro (PL).

Pesquisa Genial/Quaest, divulgada nesta sexta (13), aponta o ex-presidente com 44% de intenção de votos em Minas Gerais e o atual presidente, 28%.

No levantamento anterior, de março, os índices eram de 46% a 21%. Apesar de não ser possível comparar dado a entrada e saída de candidatos, a diferença entre ambos passou de 25 para 16 pontos em dois meses. Enquanto isso, Zema tem 41% e Kalil, 30%.

Esse padrão de ser um termômetro da campanha nacional se repetirá em outubro deste ano? Difícil dizer.

Situação semelhante à de Minas Gerais era a de Ohio, Estado-pêndulo para as eleições presidenciais nos Estados Unidos, ora apontando para um lado, ora apontando para outro. De 1964 a 2016, quem levava no Estado ganhava a Casa Branca. O folclore durou até 2020, quando Joe Biden perdeu de Donald Trump por lá, mas venceu, de forma consistente, a eleição nacional.

Abaixo, arredondados, os votos válidos nacionais e em Minas Gerais nos últimos 33 anos:

1989: Collor vs Lula
Em 1989, considerando resultados nacionais, Fernando Collor de Mello foi eleito com 53% dos votos válidos, enquanto Lula teve 47%. Em Minas Gerais, Collor teve 55% a 44%, vencendo no segundo turno.

1994: FHC vs Lula
Em 1994, considerando resultados nacionais, Fernando Henrique Cardoso foi eleito com 55% dos votos válidos, enquanto Lula teve 40%. Em Minas Gerais, FHC teve 65% a 22%, vencendo no primeiro turno.

1998: FHC vs Lula
Em 1998, considerando resultados nacionais, Fernando Henrique Cardoso foi eleito com 53% dos votos válidos, enquanto Lula teve 32%. Em Minas Gerais, FHC teve 56% a 28%, vencendo no primeiro turno.

2002: Lula vs Serra
Em 2002, considerando resultados nacionais, Lula foi eleito com 61% dos votos válidos, enquanto José Serra teve 39%. Em Minas Gerais, Lula teve 66% a 33%, vencendo no segundo turno.

2006: Lula vs Alckmin
Em 2006, considerando resultados nacionais, Lula foi eleito com 61% dos votos válidos, enquanto Geraldo Alckmin teve 39%. Em Minas Gerais, Lula teve 65% a 35%, vencendo no segundo turno.

2010: Dilma vs Serra
Em 2010, considerando resultados nacionais, Dilma Rousseff foi eleita com 56% dos votos válidos, enquanto José Serra teve 44%. Em Minas Gerais, Dilma teve 58% a 42%, vencendo no segundo turno.

2014: Dilma vs Aécio
Em 2014, considerando resultados nacionais, Dilma Rousseff foi eleita com 52% dos votos válidos, enquanto Aécio Neves teve 48%. Em Minas Gerais, Dilma teve 52% a 48%, vencendo no segundo turno.

2018: Bolsonaro vs Haddad
Em 2018, considerando resultados nacionais, Jair Bolsonaro foi eleito com 55% dos votos válidos, enquanto Fernando Haddad teve 45%. Em Minas Gerais, Bolsonaro teve 58% a 42%, vencendo no segundo turno.