PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro e Guedes querem represar verba contra desemprego para estados

Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

25/03/2020 11h18

Articuladores do Planalto explicaram a políticos ligados ao governo que o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira teve o objetivo de se precaver contra futuros pedidos de verba dos estados ao governo federal.

Bolsonaro e equipe avaliam que o principal problema econômico criado pelo novo coronavírus será o fechamento de empresas e o desemprego causado pela paralisação da economia.

Em países como a Inglaterra, por exemplo, a solução encontrada para evitar demissões foi a garantia de que o governo pagará parte dos salários dos trabalhadores. Isso pode chegar a 80% do salário, ou até 2.500 de libras (R$ 14.500) por mês, para qualquer empregado que vier a ser licenciado da empresa e não demitido.

Uma política dessas no Brasil é considera inadministrável pela equipe econômica. Mas o desemprego é inevitável.

Só em Brasília, o Sindicato dos donos de hotéis e restaurantes (Sindhobar) anunciou que deve homologar nesta quarta-feira cerca de 4 mil demissões, e que o total deve chegar a 11 mil trabalhadores do setor até abril. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, foi um dos primeiros a determinar o fechamento de escolas.

Nos EUA, Donald Trump e o Congresso entraram em acordo na madrugada desta terça-feira pela aprovação de um pacote de socorro de US$ 2 trilhões. Cada americano pode receber um cheque de U$ 1.200 do governo para aguentar o período da epidemia, chegando a U$ 3.000 por família. US$ 2 trilhões são cerca de R$ 10 trilhões.

Todo o Orçamento governo federal do Brasil em 2019 foi de R$ 3,3 trilhões.

Ou seja, nas contas da equipe de Bolsonaro, o governo federal não terá como garantir um pacote de sustentação de desempregados com a paralisação da economia.

A estratégia adotada, então, é distribuir a responsabilidade com os governos estaduais. Daí o pronunciamento de Bolsonaro: o país vai parar porque os governadores estão fechando escolas e o comércio; depois não adianta pedir dinheiro à União.

Os governadores entenderam o recado. Foram os primeiros a protestar em declarações públicas. Secretários de Saúde do Nordeste soltaram nota logo após o pronunciamento ir ao ar, na noite desta terça-feira.

Enfim, estamos assistindo agora apenas os primeiros rounds de uma guerra entre Bolsonaro e os governadores, que tende a se aprofundar durante a crise do coronavírus.

No meio da guerra tem o povo.