PUBLICIDADE
Topo

Osmar Terra, que previu só 2.100 mortes por coronavírus, mantém análise

Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

27/04/2020 11h52Atualizada em 27/04/2020 19h13

Como se sabe, neste domingo o Brasil cruzou a barreira dos mais de 4,2 mil casos de mortes por coronavírus registrados. Foram exatos 4.205 mortos.

É inevitável lembrar daquele debate aqui no UOL em que o deputado e ex-ministro da Cidadania, Osmar Terra, calculou que não se chegaria, no Brasil, ao número de mortes ocorridas durante a epidemia do H1N1 (gripe suína), entre 2009 e 2010.

Ali foram 2.100 óbitos registrados segundo ele, e agora seriam menos. Em uma entrevista posterior, Terra afirmou que se o número de mortes passasse de 2,1 mil, seria por uma margem pequena.

Pois bem. Já passamos do dobro desse número.

O blog perguntou ao deputado a que ele atribui seu erro de cálculo. Se agora admite que a pandemia do coronavírus será mais forte no Brasil do que a do H1N1. Mais: se mantém a mesma opinião contrária ao isolamento, e que fazer com a lotação das UTIs?

Terra respondeu:

"Mantenho tudo que disse. Inclusive que estamos no pico da epidemia e que deveremos assistir, a partir de agora, uma diminuição de internações hospitalares de casos do Covid, como podes ver na curva que faz a coluna azul no gráfico anexo, que é do Ministério da Saúde."

Numero de hospitalizados VERSUS Origem na doença - Reprodução de Osmar Terra
Numero de hospitalizados VERSUS Origem na doença
Imagem: Reprodução de Osmar Terra

Ele admite o erro quanto ao número de mortes. Mas faz ressalvas:

"Em relacão ao número de óbitos, realmente é um cálculo difícil de fazer com muita antecedência, em qualquer epidemia. Fiz essa estimativa muito para mostrar que as previsões catastróficas do virologista Átila Iamarino —de mais de 1 milhão de mortes no Brasil, e que foi amplamente divulgada, inclusive em entrevista no Roda Viva, da TV Cultura de São Paulo—assim como a previsão publicada no Intercept Brasil, que morreriam exatos 432.000 pessoas, eram absurdas.

Certamente a minha margem de erro será muito menor que as deles. Curioso é que vejo cobrança só do que eu disse, talvez por serem previsões menos assustadoras. Ninguém cobra (aqui não estou falando de ti, mas de vários catastrofistas que me cobram na rede a exatidão dos números) o pânico que eles causam com os números extrapolados!"

Bem. Só o que este blog pode dizer é que continua rezando para que Osmar Terra esteja certo...

Errata: o texto foi atualizado
O nome do biólogo Átila Iamarino foi grafado incorretamente em versão anterior deste texto. A informação foi corrigida.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL