PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Thaís Oyama


Bolsonaro à beira de um ataque de nervos

 Presidente angustiado:  Jair Bolsonaro durante pronunciamento no dia 31 de março - Isac Nóbrega/PR
Presidente angustiado: Jair Bolsonaro durante pronunciamento no dia 31 de março Imagem: Isac Nóbrega/PR
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política da rádio Jovem Pan. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

01/04/2020 21h23

Todo mundo notou.

Os gestos nervosos nas entrevistas coletivas, o tom de voz acima do normal nas saídas do Alvorada e os olhos injetados no pronunciamento do dia 31 denunciam o que assessores palacianos confirmam: os nervos do presidente Jair Bolsonaro estão por um fio e ele se sente pressionado por todos os lados. Bolsonaro deu até mesmo para chorar no meio do expediente, como revelou o repórter da Folha de S. Paulo Igor Gielow. Sua agenda oficial tornou-se uma planície desolada. Hoje, quarta-feira, registrava um único compromisso: audiência com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, das 10h às 10h30, e mais nada.

Para Bolsonaro, o mundo está contra ele. Não bastasse o que considera oportunismo político de seus adversários (os governadores João Dória e Wilson Witzel, em especial), seus principais ministros - Sérgio Moro, Paulo Guedes e Henrique Mandetta, homens que ELE próprio escolheu, como lembra sempre que pode— alinharam-se contra ele na defesa do isolamento social. "O presidente sou eu, pô. O presidente sou eu", achou por bem lembrar a um repórter que lhe perguntou sobre o fato de o vice, Hamilton Mourão, também ter defendido a quarentena como forma de evitar a disseminação do coronavirus.

Isolado em sua teimosia e sentindo-se ameaçado em sua autoridade, Bolsonaro oscila entre socorrer-se junto aos generais palacianos -que, no ano passado, havia deixado em banho-maria por não querer ser por eles "tutelado"—ou ouvir os conselhos do filho Carlos, comandante em chefe dos atiçadores oficiais das massas, assessores do presidente que atuam nas redes sociais com tal beligerância que fizeram por merecer a alcunha de integrantes do "gabinete do ódio".

Ocorre que, a cada vez que o presidente segue os conselhos dos generais, desagrada a turma de Carlos - e o contrário é também verdadeiro. O pronunciamento inusitadamente sensato do dia 31 de março teve a influência de Eduardo Villas Bôas, ex-comandante do Exército a quem Bolsonaro havia visitado no dia anterior, e o dedo do general Braga Netto, chefe da Casa Civil e estrela ascendente no Palácio. Se soou como música para os ouvidos dos moderados, irritou na mesma intensidade os bolsonaristas raiz, seguidores de Carlos Bolsonaro e companhia.

Uma hora e meia depois do pronunciamento do presidente, a agência de análise digital Bites registrou o menor número de pessoas tuitando em favor dele nos últimos quinze dias. Já quando o ex-capitão fez o discurso em que chamou a Covid-19 de "gripezinha" e afirmou que "atleta não pega isso", sua claque virtual foi ao êxtase.

Ou seja, quando Bolsonaro age de forma comedida e sensata, deixa a militância apática. Quando radicaliza e diz atrocidades, ganha mil pontos com ela.

Ontem, militares do núcleo duro do Palácio do Planalto avaliavam que as duas próximas semanas serão cruciais para determinar os rumos da crise. A pandemia do coronavírus deve atingir o pico no período.

Na melhor das hipóteses, avaliam generais, o aumento do número de mortes se manterá na casa de algumas dezenas por dia e a curva epidemiológica se achatará. Na pior, a quantidade de óbitos subirá em escala semelhante à da Itália e Espanha, enchendo as telas das TVs e dos celulares com as mesmas imagens de comboios de caixões que se viu nos países europeus. Desse desfecho dependerá a resposta sobre que ala Bolsonaro ouvirá daqui para frente. E qual será o seu destino.

Mourão quer se mostrar vivo e operante em um governo fora de controle

UOL Notícias

Thaís Oyama