PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Thaís Oyama


Bolsonaro compra tempo com o coronavoucher

O presidente Bolsonaro: ele também depende do auxílio emergencial -
O presidente Bolsonaro: ele também depende do auxílio emergencial
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política da rádio Jovem Pan. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

20/06/2020 11h51

Bolsonaro está apanhando nas redes.

Desde a prisão de Fabrício Queiroz, na quinta-feira, a militância virtual do presidente na internet recuou. No dia seguinte ao achado do ex-assessor na casa do advogado da família Bolsonaro, os posts críticos ao presidente no Twitter chegaram a 1,4 milhão - 19 vezes mais que o número de mensagens publicadas pela rede bolsonarista. Os números são da agência Bites.

Lavada parecida só havia sido detectada no dia da saída do ex-juiz Sérgio Moro do governo. Na ocasião, os bolsonaristas tiveram um momento de perplexidade e, como agora, deixaram o campo livre para a oposição. Mas logo voltaram com tudo. O humor das redes é volúvel.

Já no mundo real, outra pesquisa detectou resultado bem diferente.

Ela foi feita por um instituto de opinião pública com 1 550 brasileiros de todas as regiões do país entre os dias 17 e 19 - incluiu, portanto, o estouro da prisão de Queiroz, ocorrida no dia 18.

O resultado: o governo Bolsonaro ganhou três pontos na categoria "ótimo e bom".

O crescimento da avaliação positiva se deu em relação ao último levantamento do instituto, feito há duas semanas - duas semanas de cão para o presidente, diga-se. Revezes na Justiça, prisão de militante e ações judiciais contra blogueiros e deputados bolsonaristas foram só algumas das tormentas que se abateram sobre o presidente no período.

Mesmo assim, o governo Bolsonaro cresceu aos olhos da opinião pública (a avaliação de ruim e péssimo diminuiu 7 pontos e a de regular subiu 4, segundo a pesquisa).

O motivo, claro, é o coronavoucher. Todas as movimentações favoráveis ao governo partiram das classes D e E, as principais beneficiadas pelo auxílio emergencial de 600 reais distribuído pelo governo desde abril a 50 milhões de pessoas e agora prorrogado por dois meses.

O coronavoucher segura a corrosão da popularidade do governo Bolsonaro. Um governo que, no campo administrativo, há tempos se limita a gerenciar crises. E que, no front político, vê sua aposta mais ousada, o Centrão, dar mostras de que o apoio conquistado a peso de ouro pode não ser tão incondicional assim se Bolsonaro afundar junto com seu filho Flávio na lama da rachadinha.

Mas em breve o presidente terá de decidir o destino do benefício - acabar com ele fará a avaliação de seu governo despencar. Mantê-lo ou torná-lo permanente significará perder de vez o norte do equilíbrio fiscal.

Bolsonaro compra tempo com o coronavoucher.

Ele é o auxílio emergencial do presidente.

Thaís Oyama