PUBLICIDADE
Topo

Thaís Oyama

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Tombo do agronegócio pode jogar Bolsonaro em queda livre em janeiro

O presidente Jair Bolsonaro: o tripé balança - Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O presidente Jair Bolsonaro: o tripé balança Imagem: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

02/12/2021 12h16

O Brasil está oficialmente em recessão —"técnica" (fechará o ano no azul, apesar das duas quedas trimestrais consecutivas do PIB), mas recessão.

A constatação funesta, segundo o IBGE, resulta sobretudo da performance negativa de produtos agrícolas como o café, o algodão, milho, laranja e cana-de-açúcar no último trimestre.

É uma péssima notícia para todos os brasileiros.

Mas para 59% deles — o percentual da população que, segundo o último Datafolha, quer ver Jair Bolsonaro pelas costas— resta o consolo de que ela é pior ainda para o presidente, ao menos do ponto de vista eleitoral.

Junto com os bolsonaristas raiz e setores evangélicos, os chamados "eleitores do agro" são parte do tripé que hoje sustenta Bolsonaro no patamar de 25% de aprovação, com viés de baixa.

O primeiro grupo é formado por aqueles que Nelson Rodrigues chamaria de "bolsonaristas fundamentais" — torcedores incondicionais do presidente com convicções à prova de fatos.

Abriga majoritariamente eleitores do sexo masculino, com curso superior, idade até 40 anos e moradores das regiões metropolitanas. De acordo com o instituto Ideia, eles respondem por até 5 pontos percentuais da aprovação do ex-capitão.

O segundo grupo — composto por cristãos evangélicos, principalmente de denominação neopentecostal— reúne brasileiros que vêem no bolsonarismo uma trincheira contra o que consideram uma ameaça aos valores cristãos, como a defesa do aborto e das pautas LGBTQIA+. Seus integrantes pertencem em sua maioria à classe C, têm acima de 35 anos e estão espalhados por todo o país. São responsáveis por até 10 pontos percentuais da aprovação do ex-capitão.

Já os "eleitores do agro" estão distribuídos pelas classes A, B e C. São também majoritariamente do sexo masculino e habitam cidades pequenas e médias situadas nas fronteiras agrícolas. Em julho, segundo o Ideia, em municípios do Centro-Oeste, por exemplo, a popularidade de Bolsonaro chegava a picos de 50% — percentuais diretamente proporcionais ao impacto positivo da alta do preço das commodities na vida dos moradores.

Partindo do cálculo do instituto, de que os eleitores do agro são responsáveis por até 10 pontos percentuais da aprovação de Bolsonaro, não é difícil estimar o estrago que o tombo de 8% na produção agropecuária anunciada pelo IBGE irá causar na imagem do presidente.

Hoje, a possibilidade de reeleição do ex-capitão é encarada com pessimismo mesmo dentro do Palácio do Planalto. Um ministro próximo de Bolsonaro afirmou ontem que essa hipótese, "neste momento, é muito difícil".

O ministro disse, no entanto, que monitoramentos do Palácio indicam que "apenas na região Nordeste a rejeição do presidente é muito mais alta que a de Lula". Nas outras, ela seria apenas um pouco maior.

O fato de a região ser a principal candidata a beneficiária do Auxílio Brasil, afirmou, alimenta as esperanças de que a criação do benefício — a ser viabilizada a partir da aprovação da PEC dos Precatórios — diminua rejeição de Bolsonaro no segundo maior colégio eleitoral do país.

Para reforçar sua tese, o ministro lembrou que Bolsonaro estava "praticamente empatado com Lula" no Nordeste há um ano, o que seria um reflexo do "auge do auxílio de 600 reais".

As más notícias vindas do agronegócio bambeiam o tripé de Bolsonaro, mas, a depender dos rumos da economia, o ex-capitão pode tomar mais que um tombo. Pode entrar em queda livre já nas pesquisas de janeiro (considerando que os levantamentos de dezembro embutem o viés otimista do décimo-terceiro salário). Nesse caso, a aprovação da PEC dos Precatórios será para o ex-capitão seu único paraquedas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL