PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


UOL Confere

Anticoagulante indicado pela OMS não tem relação com 'tratamento precoce'

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, durante entrevista coletiva em Genebra -
Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, durante entrevista coletiva em Genebra

Do Projeto Comprova

07/10/2021 09h32Atualizada em 07/10/2021 09h40

É enganosa a publicação que viralizou no Instagram relacionando uma reportagem de janeiro deste ano da CNN Brasil com o título "OMS recomenda anticoagulantes em baixa dosagem para pacientes com covid-19" e um tuíte da deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP). No post, ela dizia que o órgão estaria atrasado em relação ao Brasil, que, segundo Janaina, já fazia "tudo isso" desde o início da pandemia, em março de 2020.

Como mostram os comentários, a relação leva à interpretação errada de que a Organização Mundial da Saúde (OMS) referendou, mesmo que tardiamente, o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19 defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A recomendação, como é possível conferir no site do órgão, cita apenas anticoagulantes e é indicada exclusivamente a pacientes hospitalizados para prevenir a formação de coágulos sanguíneos (trombose).

Ao Comprova, a entidade afirmou: "Tendo em vista que algumas pessoas no Brasil se referem a 'tratamento precoce' como algo relacionado ao uso de medicamentos sem comprovação de eficácia contra a covid-19, a OMS e a OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde, braço da entidade para as Américas) esclarecem que não recomendam" tais remédios em caso da doença.

O Comprova considerou o conteúdo enganoso porque ele retira informações do contexto original e usa dados que induzem a uma interpretação diferente da verdadeira.

A reportagem tentou entrar em contato com perfis que compartilharam a publicação, inclusive com a página @deputadopaulomartins - no post verificado aqui, aparece um selo com o nome do político, que publicou o mesmo conteúdo em 27 de janeiro, época do anúncio da recomendação da OMS. Nem ele, nem Janaina nem o perfil @direita_de_goias, que replicou a publicação agora, respondeu até a conclusão desta verificação.

Como verificamos?

Primeiramente, via TweetDeck, a reportagem buscou o tuíte da deputada usado no post verificado aqui e constatou que ela realmente o postou, em 26 de janeiro deste ano. No tuíte, inclusive, ela dá link para a reportagem da CNN.

Ainda pelo Tweetdeck, foi possível verificar que Janaina já havia mencionado tratamento contra a covid com vários medicamentos, como anticoagulantes e vermífugos, em 13 de janeiro.

O próximo passo foi verificar se a reportagem indicada na montagem havia sido publicada. Buscando no Google, encontramos o link da matéria, publicada no dia 26 de janeiro de 2021, mesmo dia em que a deputada fez o comentário no Twitter.

Em seguida, pesquisamos nos canais oficiais da OMS e verificamos que a entidade realmente recomendou o uso de anticoagulantes.

A partir dessas informações, atuamos em duas frentes. Além de entrar em contato, por e-mail, com a OMS, buscamos os canais oficiais do Ministério da Saúde para apurar quais medicamentos fazem parte do chamado "tratamento precoce".

Também tentamos, via Instagram e e-mail, contatar o perfil que publicou o post verificado aqui (@direita_de_goias) e os autores de páginas que publicaram o mesmo conteúdo em janeiro, quando a reportagem da CNN foi publicada (@deputadopaulomartins e @JanainaDoBrasil) - não houve retorno até a publicação deste texto.

Por último, consultamos a professora e pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) Elnara Negri, que lidera um estudo observacional ainda não revisado por pares da comunidade científica sobre o uso do anticoagulante heparina em pacientes com covid-19.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 6 de outubro de 2021.

Verificação

OMS e anticoagulantes

A OMS, de fato, recomendou em 25 de janeiro de 2021 o uso de coagulantes em baixa dosagem para pacientes infectados pelo Sars-Cov-2.

A publicação foi divulgada originalmente em 27 de maio de 2020, sob o título "Clinical management of Covid-19: interim guidance, 27 May 2020" (em português, "Manejo clínico da Covid-19: orientação provisória, 27 de maio de 2020"), mas, nessa versão, não havia menção ao uso de anticoagulantes.

Posteriormente, em 25 de janeiro de 2021, o documento foi atualizado "para refletir as novas evidências científicas", sob o título, em português, "Manejo clínico da Covid-19: orientação dinâmica e contínua". Como informou a OMS à reportagem, "essas diretrizes são atualizadas regularmente, à medida que mais dados se tornam disponíveis".

Na versão de janeiro, a diretriz é: "Para pacientes hospitalizados, a OMS sugere o uso de baixas doses de anticoagulantes para prevenir a formação de coágulos sanguíneos (trombose)".

De acordo com a pesquisadora Elnara Negri, os pacientes que desenvolvem formas mais graves da covid podem apresentar "piora clínica, com febre e queda da oxigenação" e evoluir para uma condição chamada coagulopatia trombótica. "Nesses pacientes, o vírus consegue atingir a circulação pulmonar e sistêmica, levando ao aparecimento de tromboses dos capilares pulmonares, de outros órgãos e também de vasos maiores", diz ela.

É nesses casos que o anticoagulante é indicado. "O remédio vai frear a inflamação e hipercoagulação e o tratamento só pode ser feito sob supervisão médica, pois há risco de sangramento com a automedicação", afirma a especialista. "Automedicação, nesta doença, é extremamente perigosa. Há riscos graves à saúde, inclusive, risco de vida."

Negri destaca que o anticoagulante "não é capaz de prevenir que o paciente desenvolva a forma grave" e ressalta que "contra a covid-19, a melhor prevenção é a vacina."

Tuíte e o tratamento

Diferentemente do que afirma Janaina em seu tuíte, a OMS não referenda "tudo" o que se fazia no Brasil desde março de 2020. A fala da parlamentar, como fica claro nos comentários do post verificado aqui, incentivou seguidores a defender o "tratamento precoce".

Tal opção - que, novamente, não tem eficácia comprovada -inclui medicamentos como ivermectina, nitazoxanida, cloroquina, zinco, remdesivir e azitromicina. O "tratamento precoce" é defendido por Bolsonaro desde o início da pandemia e era citado no site do Ministério da Saúde, mas o conteúdo sobre ele foi apagado da página por volta de 18 de janeiro de 2020, segundo reportagem da Folha.

Além disso, nenhum dos remédios que compõem o "tratamento precoce" é anticoagulante e, como informou a OMS ao Comprova, o órgão não recomenda nenhum desses produtos, o que reforça a desinformação no post verificado aqui.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. A publicação verificada teve quase 6 mil curtidas no Instagram até 6 de outubro.

Quando os conteúdos envolvem medicamentos ou tratamentos contra o novo coronavírus, sua checagem se torna ainda mais necessária, porque informações incorretas podem levar as pessoas a colocarem sua saúde em risco.

Comentários como "Minha família toda usou os remédios que eles falam que não são eficazes. Dezesseis pessoas da família estão curadas graças a Deus e ao kit proibido pela CPI do Circo" e "isso é rir dos que morreram sem ter a chance de lutar de alguma e qualquer forma para que a vida prevalecesse", sugerem que a OMS está errada e que o tratamento sem eficácia comprovada é eficaz.

Outros conteúdos sobre o assunto já foram verificados pelo Comprova, como os que enganavam ao afirmar que estudo com hidroxicloroquina comprovava a eficácia do "tratamento precoce" e que a OMS teria se desculpado por reviravoltas com o medicamento.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; ou ainda aquele que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

O Comprova é um projeto integrado por 33 veículos de imprensa brasileiros que descobre, investiga e explica informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens. Envie sua sugestão de verificação pelo WhatsApp no número 11 97045 4984.

UOL Confere