PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


UOL Confere

Post inventa que Lula é acionista da Folha de S. Paulo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é acionista do jornal Folha de S. Paulo - Reprodução
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é acionista do jornal Folha de S. Paulo Imagem: Reprodução

Do Projeto Comprova

05/11/2021 10h22Atualizada em 06/11/2021 14h31

É falso o post de 2018 que voltou a circular no Facebook dizendo que o ex-presidente Lula (PT) seria "dono" de 52% das ações do jornal Folha de S.Paulo. Como informado em seu site, o veículo pertence à família Frias desde 1992.

Na legenda, um dos perfis que compartilhou o post alega que isso explicaria o fato de "a Folha de S.Paulo ser contra Bolsonaro", o que também é falso. O jornal, como é explicado em seu site, é pautado pelo apartidarismo e pela desvinculação a "governos, oposições e doutrinas".

A reportagem tentou contatar três perfis que publicaram o post com o mesmo conteúdo, mas não obteve retorno até a publicação deste texto. A postagem foi considerada falsa porque usa informações inventadas.

Como verificamos?

O primeiro passo foi confirmar, por meio de notícias no site da Folha, que Lula não tem nenhuma participação no grupo do qual o jornal faz parte. Ao pesquisar as informações no Google, foi verificado que o post com conteúdo falso havia circulado inicialmente em 2018 - e que a Folha e agências como Lupa, Boatos.org e Aos Fatos já haviam checado as afirmações na época.

Outro passo foi buscar a reportagem que aparece como print de tela no conteúdo, intitulada "Jornal espanhol corrige declaração de Lula com crítica a Dilma". Referia-se a uma matéria do veículo "El Mundo", de 22 de outubro de 2017.

Em seguida, o Comprova analisou o mais recente projeto editorial da Folha para averiguar o posicionamento sobre manifestações partidárias, incluindo participação de políticos na empresa.

Por último, tentamos contato via mensagem no Facebook com os perfis Bolsonaro 2022, Plaster Mãozinhas e Alverindo Pommer, que publicaram os posts.

Verificação

Família Frias

Em 2018, quando o post circulou pela primeira vez, a Folha desmentiu as alegações de que Lula seria dono de ações da empresa. "A Folha é editada pela Empresa Folha da Manhã S.A., que pertence 100% à família Frias de Oliveira", diz a nota. Também lembra que o jornal foi comprado "em 1962 pelos empresários Octavio Frias de Oliveira e Carlos Caldeira Filho" e que, "em 1991, os dois sócios se separaram, e a família Frias tornou-se a única proprietária da empresa".

Desde novembro de 2020, como informou nota no jornal, o publisher Luiz Frias, filho de Octavio Frias de Oliveira, se tornou o acionista majoritário da holding Folha Participações S.A., controladora da empresa à qual o jornal Folha de S.Paulo pertence.

Folha e Bolsonaro

Como informa seu projeto editorial mais recente, de 2019, a Folha atua com o princípio do apartidarismo - ou seja, ao contrário do que desinforma o post verificado aqui, ela não trabalha a favor ou contra nenhum político.

"Sob o pressuposto de que a difusão de informações confiáveis e opiniões qualificadas estimula o exercício da cidadania e contribui para o desenvolvimento das ideias e da sociedade", a Folha coloca como um de seus princípios: "Manter atitude apartidária, desatrelada de governos, oposições, doutrinas, conglomerados econômicos e grupos de pressão".

Já o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ataca a imprensa e, especificamente, a Folha, com frequência. Em 5 de maio do ano passado, por exemplo, chamou o jornal de "canalha", "patife" e "mentiroso". Na mesma ocasião, mandou um repórter "calar a boca"; a Folha se manifestou em nota dizendo que, "mais uma vez o presidente Jair Bolsonaro desrespeita a liberdade de expressão e insulta o jornalismo profissional" e que o jornal ia seguir "cobrindo os atos desta administração com isenção e independência, como fizemos em todos os governos".

A notícia reproduzida na postagem

O título da reportagem da Folha exposto no conteúdo falso diz: "Jornal espanhol corrige declaração de Lula com crítica a Dilma". A notícia, de 23 de outubro de 2017, conta que o "El Mundo" havia alterado uma declaração do petista dada em entrevista.

A mudança ocorreu após o ex-presidente afirmar, em seu Twitter, que a Folha e o UOL haviam divulgado uma declaração que ele não teria dado ao veículo espanhol - os veículos brasileiros haviam se baseado na reportagem do El Mundo.

Na primeira versão, o espanhol publicou que Lula disse que a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) "traiu seu eleitorado". Posteriormente, o trecho foi corrigido, afirmando que Lula declarou que o "eleitorado se sentiu traído" com o ajuste fiscal promovido pela colega de partido.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos que tenham viralizado sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições, como este checado aqui, que teve ao menos 16 mil visualizações até 4 de novembro.

Ao associar o nome de Lula ao comando da Folha, o post tenta descredibilizar tanto o político quanto o jornal - ambos são alvos de ataques frequentes de Bolsonaro. Descredibiliza também o Datafolha, instituto que, em sua última pesquisa, publicada em 17 de setembro, mostrou Lula à frente de Bolsonaro tanto no primeiro quanto no segundo turno do pleito presidencial de 2022. Os cidadãos têm o direito de apoiar o candidato que quiserem, mas é perigoso para a democracia quando a opinião é formada com base em conteúdos falsos, como estes.

Como já informado, esse conteúdo já foi checado pela Folha e por agências como Lupa, Boatos.org, Aos Fatos e Observador.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

O Comprova é um projeto integrado por 33 veículos de imprensa brasileiros que descobre, investiga e explica informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens. Envie sua sugestão de verificação pelo WhatsApp no número 11 97045 4984.

UOL Confere