Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos

É falso! Banco Central não anunciou aumento na conta de luz e na gasolina

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Lucas Borges Teixeira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

11/05/2018 04h00

Uma mensagem trocada nos aplicativos de mensagens afirma que haverá aumento nos preços do combustível e da energia elétrica. O responsável pelo anúncio seria o Banco Central.

Diz o texto, que começou a circular na semana passada: "O Banco Central acabou de anunciar: a conta de energia elétrica terá mais um reajuste, dessa vez de 37%, e a gasolina de 14%. Vejam que absurdo! O reajuste será aplicado a partir da próxima semana. Vamos Mobilizar o Brasil! Até quando seremos roubados?".

FALSO: Banco Central não determina preço da luz ou de gasolina

A mensagem já começa trazendo um erro básico: não é responsabilidade do Banco Central estabelecer preço de gasolina ou de energia elétrica.

Por meio de nota enviada ao UOL, o banco afirma que "não é responsável pela fixação de preços da economia e tampouco anuncia reajustes de preços administrados, como combustíveis ou energia elétrica".

A definição do preço do combustível cabe à Petrobras, que não divulgou nenhum aumento próximo a 14% em 2018 e negou as informações da corrente.

Por meio de uma nota, a empresa estatal confirmou que é ela quem "define a política de reajuste dos preços do diesel e da gasolina comercializados em suas refinarias" e que estes valores podem ser conferidos em seu site oficial.

Durante a semana passada, entre os dias 1º e 5 de maio, houve alterações insignificantes entre os preços médios de diesel e gasolina enviados às distribuidoras.

Sem tributos, foi registrado aumento de menos de 1% nos dois combustíveis

A Petrobras adaptou este novo modelo de precificação em julho do ano passado. Desde então, a área técnica de marketing e comercialização da empresa começou a realizar ajustes sempre que considera necessário, dentro de uma faixa determinada, de redução de 7% a alta de 7%. Antes, a orientação era de reajuste ao menos uma vez por mês.

Como justificativa, a empresa argumenta que os combustíveis derivados de petróleo "são commodities e têm seus preços atrelados aos mercados internacionais, cujas cotações variam diariamente, para cima e para baixo". De julho de 2017 a março de 2018, o preço da gasolina nas refinarias acumulou alta de 24,93% e, o do diesel, de 24,79%.

Custo da energia sobe em maio, mas nem tanto

A conta de luz terá um aumento em maio em relação a abril, conforme já anunciado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) no final do mês passado. O valor ainda não foi anunciado, mas, segundo a agência, não chega próximo a 37%.

A agência instituiu a cobrança de taxa extra, a chamada bandeira tarifária amarela, de nível intermediário, que traz o acréscimo de R$ 1 a cada 100 kilowatts-hora consumidos. O anúncio acabou com uma sequência de quatro meses de bandeira tarifária verde neste ano, que não gera custos adicionais.

Em dezembro, vigorou a bandeira vermelha 1 (ou rosa), com taxa de R$ 3 a cada 100 kWh.

Para definir a bandeira, a agência avalia a previsão do custo da termelétrica mais cara acionada para atender à demanda e o nível de produção das hidrelétricas.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

GiroUOL

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Mais UOL Confere