É falso que Dino falou em 'arruinar economia' e 'desmobilizar as polícias'

É falso áudio que circula nas redes sociais em que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, fala que os "objetivos" do governo Lula (PT) são, entre outros, "arruinar a economia" do Brasil e "desmobilizar as polícias". Dino foi indicado nesta semana por Lula para ser ministro do STF.

A gravação enganosa com as supostas "confissões" do ministro também sugere que Dino alega que o PL (Projeto de Lei) 2.630, conhecido como PL das fake news, serviria para "fortalecer" a atual gestão federal ao "controlar as redes sociais".

O UOL Confere recebeu o pedido de checagem pelo WhatsApp (11) 97684-6049.

O que diz o post:

Compartilhado em plataformas como TikTok, a gravação traz uma foto de Dino e diz que o áudio foi "vazado", com a seguinte mensagem: "Vai vendo Brasil. Veja se não é isto que está acontecendo. Dino não! Compartilhe antes que caiam".

Ao clicar na gravação, o usuário escuta um áudio que simula a voz de Dino e diz o seguinte:

"Essa PL 2.630, por exemplo, é uma delas, que nos deixará muito fortalecidos. Então, quais são os nossos objetivos, além de arruinar a economia? É aumentar o desemprego, destruir o comércio, deixar o povo desabastecido, falir as empresas, falir também o agronegócio, invadir terras, controlar o Exército, desmobilizar as polícias, desarmar o cidadão de bem, criar uma guarda nacional com presidiários libertos, aparelhar tribunais de contas com parentes e esposas dos nossos companheiros, pagar a mídia para distorcer os fatos e subjugar o povo pelo medo de se expressar pelo medo de ser cancelado ou até de ser preso.

Eu pergunto aos senhores: quem é o nosso maior inimigo? Não é o Bolsonaro. Nosso maior inimigo não é o Bolsonaro. O nosso maior inimigo são as redes sociais. E por quê? Porque as redes sociais expõem a verdade sobre o nosso governo. Entenda uma coisa, senhores, o Bolsonaro sem as redes sociais não nos causa nada, é inofensivo, mas as redes sociais, elas são danosas ao nosso governo, porque expõem a verdade, ou seja, não adianta nós tentarmos eliminar o Bolsonaro, sem eliminar as redes sociais. Se nós eliminarmos ou controlarmos as redes sociais, automaticamente nós eliminamos Bolsonaro. Entendam: a verdade é inimiga do nosso governo, já fazemos isso através da mídia e da imprensa, que nós temos o controle, mas não é suficiente. Nós estamos com o país dividido e não pode haver essa divisão, então nós temos que trabalhar para alcançar o nosso objetivo, e somente o nosso discurso possa prosperar."

Outra postagem reproduz o mesmo áudio falsificado. A publicação mostra uma foto de Dino com uma bandeira do movimento comunista atrás dele, e a seguinte mensagem: "Senadores, vocês ficarão marcados por toda a história pelo que fizerem, de bom ou de ruim. Não deixaremos esquecer. Flávio Dino no STF não".

Continua após a publicidade

Por que é falso:

Ministro Flávio Dino nega que seja sua voz, em nota ao UOL Confere e em publicação no X - antigo Twitter (veja aqui).

Informamos que a peça em questão não é verdadeira. Trata-se de uma tentativa grosseira de imitação e imputação de atitudes criminosas ao Ministro Flávio Dino. Lamentamos a criação e disseminação de conteúdos falsos com o propósito de manchar a reputação do Ministro Flávio Dino. Para informação, essa voz não é do Ministro Flávio Dino.
Assessoria de Flávio Dino, em nota ao UOL Confere.

Registro a minha indignação com a campanha abjeta que estão fazendo, a exemplo dessa grosseira falsificação. A prova da falsidade é evidente, à luz do conteúdo estapafúrdio e do estilo ridículo com que o discurso é proferido.
Flávio Dino, em publicação no X

Áudio que imita a voz de Flávio Dino foi feito por voz humana, não por meio de inteligência artificial, conforme análise da gravação feita, a pedido do UOL Confere, por Leonardo La Rosa, diretor de segurança da Acadi-TI, empresa que oferece capacitação em cibersegurança.

O especialista destacou que "o ruído no fundo do áudio tem como objetivo corrigir algumas irregularidades no timbre de voz, pois o ouvinte se incomoda e reduz o volume do dispositivo, fazendo com que a voz pareça mais real". La Rosa ressaltou ainda que a voz usada tem "pausas, sotaque e acentuação muito bem colocados", o que não seria possível de se fabricar digitalmente.

Continua após a publicidade

O UOL Confere consultou um segundo especialista, o perito forense Mauricio de Cunto, para analisar o áudio. Para ele, a gravação "não é tão engessada", o que indica ter sido feita por uma pessoa. "Óbvio que se trata de algo que foi produzido".

O PL 2.630 foi proposto em 2020, mas ainda não foi para votação no Congresso (veja aqui). O projeto, que visa regulamentar as big techs no Brasil, voltou a debate neste ano, sob relatoria do deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), mas foi retirado de pauta e segue sem nova data para apreciação pelos parlamentares (aqui).

Viralização. As postagens constam, nesta sexta-feira (1º), com 340 mil visualizações, 21,5 mil curtidas, 2.662 comentários e 18,5 mil compartilhamentos no TikTok.

Sugestões de checagens podem ser enviadas para o WhatsApp (11) 97684-6049 ou para o email uolconfere@uol.com.br.

Fabíola Cidral conta como reconhecer logo de cara uma fake news

Siga UOL Notícias no
UOL Confere

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes