PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Pedrinhas registra duas mortes em 24 horas; MA tem 18 presos mortos em 2014

Aliny Gama

Do UOL, em Maceió

01/07/2014 21h55Atualizada em 03/07/2014 09h50

A Delegacia de Homicídios investiga as mortes de dois presos registradas nas últimas 24 horas no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís. As mortes ocorreram entre a segunda-feira (30) e esta terça-feira (1º). Agora, já são 18 presos mortos no sistema prisional do Maranhão neste ano.

Foram registrados 60 assassinatos de presos em 2013. O número elevado levou o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) a classificar os presídios maranhenses como extremamente violentos e sem condições de manter a integridade física dos internos.

O preso Jhonatan da Silva Luz Ferreira, conhecido como Jocozinho, 20, foi encontrado morto na CCPJ (Central de Custódia de Presos de Justiça) no fim da manhã desta terça-feira (1º). O corpo apareceu logo após o horário de encerramento das visitas.

Ele foi morto por espancamento por colegas do pavilhão D. Ele é o 18º preso encontrado morto neste ano em unidade prisional do Maranhão.

Segundo o advogado da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos Luís Antonio Pedrosa, investigações apontaram que a morte do preso foi um acerto de contas depois que Jocozinho “quebrou as regras da facção ao assassinar um outro integrante fora do presídio.

Ferreira estava preso por porte ilegal de arma desde o dia 5 de junho.

A 17ª morte ocorreu no Centro de Triagem de Pedrinhas, conhecido como "Cadeião", nesta segunda-feira. O detento Fábio Robert Costa Pereira, 29, foi encontrado com sinais de enforcamento na cela 9 do "Cadeião", nessa segunda-feira (30).

Pereira havia sido preso em flagrante, no último sábado (28), acusado de roubo no bairro Cohatrac, em São Luís.

Segundo a Sejap, há indícios de que o preso tenha se enforcado usando as pernas da própria calça jeans, pois ele estava sozinho na cela e apareceu morto. O laudo da necropsia realizada no corpo de Pereira ainda não foi divulgado.

A Sejap informou que a segurança dos presos foi reforçada com homens do Geop (Grupo Especial de Operações Penitenciárias) e da PM (Polícia Militar).

Estado registra 18 presos mortos no ano

O sistema prisional do Maranhão já registrou a morte de 18 internos em 2014. O Complexo Penitenciário de Pedrinhas lidera o número de ocorrências com 10 mortes. A unidade prisional mais tensa do complexo, o CCPJ, já registrou cinco assassinatos este ano.

A 16ª morte registrada no sistema prisional do Maranhão este ano ocorreu no dia 18 de maio. O preso Jean Araújo Pereira, 19, acusado de homicídio, foi encontrado morto em uma cela do CCPJ de Pedrinhas, logo após o encerramento das visitas dominicais.

O preso Diego França Bezerra foi estrangulado com um pedaço de rede por dois colegas de cela no Centro de Ressocialização Jorge Vieira, em Timon (a 428 km de São Luís), no dia 30 de abril.

O detento Laurêncio Silva, 24, foi enforcado na madrugada do dia 17 de abril, no CCPJ (Centro de Custódia de Presos de Justiça) do Anil, em São Luís.

Entre os dias 12 e 14 de abril, três presos apareceram mortos no Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Foram eles: André Valber Mendes, 26, encontrado enforcado no dia 14 de abril, no CDP; Wesley de Sousa Pereira, 23, foi enforcado no dia 13 de abril no Presídio São Luís 1. O interno João Altair Oliveira, 18, morreu no CCPJ com perfurações pelo corpo no dia 12.

O preso Antônio André de Sousa Santana foi assassinado com golpes de espeto, no dia 24 de março, na Penitenciária Jorge Vieira, na cidade de Timon (a 427 km de São Luís).

Djalma de Sousa Teles Junior, 21, morreu eletrocutado na Unidade Prisional de Ressocialização (UPR) do Olho d'Água, em São Luís, no dia 14 de março. Ele foi preso depois que estuprou uma idosa de 82 anos e espancou o marido dela, de 89 anos, numa tentativa de assalto na cidade de Grajaú (a 542km de São Luís).

Pedro Elias Martins Viegas, 31, acusado de tráfico de drogas, foi enforcado no Centro de Detenção Provisória (CDP) do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, no dia 1º de março.

Outra morte no sistema prisional do Maranhão ocorreu no dia 26 de fevereiro, quando João Francisco Diniz Pereira foi encontrado morto cela 4 de um pavilhão da CCPJ (Central de Custódia de Presos) do Anil. Ele foi o 7º preso morto no sistema prisional do Maranhão.

O detento Antônio Carlos Cantanhede Dias, 40, foi morto no dia 3 de fevereiro na Delegacia Regional de Rosário (a 72 km de São Luís). Ele foi preso acusado de roubar uma bicicleta.

O preso Valdiano Fernandes da Silva, 27, morreu no dia 28 de janeiro, dois dias depois de ser espancado por colegas de cela na Unidade Prisional de Ressocialização de Balsas (a 817 km de São Luís).

O preso Cledeílson de Jesus Cunha, 37, conhecido como “Berruga”, foi assassinado na Unidade Prisional de Ressocialização de Santa Inês (a 230 km de São Luís). O corpo dele foi jogado em uma lata de lixo no presídio no dia 23 de janeiro.

O preso Jó de Sousa Nojosa foi encontrado enforcado no bloco D da CCPJ de Pedrinhas, no dia 21 de janeiro. A morte dele ocorreu um dia após nove líderes de facção criminosa do Maranhão serem transferidos para presídios federais de segurança máxima.

O detento Josivaldo Pinheiro Lindoso, 35, foi o primeiro preso morto em 2014 no sistema prisional do Maranhão. O corpo dele foi encontrado no dia 2 de janeiro, no Centro de Triagem de Pedrinhas, com sinais de estrangulamento.

No mesmo dia, o detento Sildener Pinheiro Martins, 19, foi morto durante briga de integrantes de facção no CDP (Centro de Detenção Provisória) de Pedrinhas.

Cotidiano