PUBLICIDADE
Topo

Preso é encontrado morto em São Luís; Maranhão tem 12 casos este ano

Aliny Gama

Do UOL, em Maceió

17/04/2014 12h15

O preso Laurêncio Silva, 24, foi encontrado morto na madrugada desta quinta-feira (17), no Centro de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ) do Anil, em São Luís.

Com a morte dele, sobe para 12 o número de presos encontrados mortos este ano em unidades prisionais do sistema penitenciário do Maranhão --sendo sete registradas dentro do Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Desde o último sábado (12), quatro presos foram mortos em prisões no Maranhão. A briga entre facções é a principal causa das mortes ocorridas dentro do sistema penitenciário do Maranhão.

Silva foi encontrado morto com uma corda amarrada no pescoço, dentro da cela de número 2 da unidade na madrugada. Os colegas de cela não informaram nada sobre o ocorrido.

A Secretaria de Estado de Justiça e Administração Penitenciária disse que a morte do preso está sendo investigada pela Delegacia de Homicídios de São Luís.

A secretaria informou ainda que vai instaurar uma sindicância para apurar o ocorrido e as possíveis responsabilidades da segurança da unidade prisional.

O sistema prisional maranhense está em estado de emergência após a morte de ao menos 60 presos no ano passado --em alguns casos houve decapitações. Há também constantes denúncias de presos de violações de direitos humanos.

Duas facções criminosas dominam o complexo de Pedrinhas. No final do ano passado, após a intervenção do governo federal, os líderes das facções deram ordens para ataques fora do presídio. Em um deles, bandidos queimaram um ônibus e uma criança morreu.

Em relatório do ano passado, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) concluiu que o governo tem sido incapaz de coibir a violência.  O documento cita a superlotação de Pedrinhas (com 1.700 vagas, abriga 2.200) e relata casos de estupros de mulheres que entram no presídio para visitas íntimas.

No Estado, o número de mortes dentro de cadeias chega a 11 neste ano, sendo que uma delas ocorreu em um hospital, dois dias após o preso ser espancado por colegas de cela.  (Com informações da Agência Brasil)

Cotidiano