Topo

Bilhete Único Mensal avança, mas atinge só 2% do total de passageiros em SP

Wellington Ramalhoso

Do UOL, em São Paulo

21/09/2015 06h00

Promessa de campanha do prefeito Fernando Haddad (PT) e lançado com pompa em 2013, o Bilhete Único Mensal vem crescendo, mas ainda está longe de alcançar o uso esperado pela Prefeitura de São Paulo. Até agora, ele atinge somente 2% do total de passageiros e 12% da expectativa inicial da administração municipal.

No dia do lançamento, em novembro de 2013, o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, afirmou diante de Haddad e do governador Geraldo Alckmin (PSDB) que o bilhete seria vantajoso economicamente para 861.742 passageiros - número que representaria cerca de 19% do total de passageiros -, sendo que na época o cenário não era tão favorável ao uso do Mensal como é atualmente (leia abaixo).

Quase dois anos depois, os números são bem mais modestos. O diretor de gestão econômico-financeira da SPTrans (empresa responsável pelo sistema municipal de transporte), Adauto Farias, afirma que, na média dos dias úteis de janeiro a julho de 2015, 102.580 passageiros usaram as cotas temporárias - mensal, semanal e diário – de todos os tipos de Bilhete Único – comum, Vale-Transporte e estudante.

Essa marca representa 2,2% do total de 4,6 milhões de passageiros e 11,9% da expectativa de Tatto.

Na média dos dias úteis do período, o sistema registrou 9,4 milhões de embarques, dos quais 196.215 foram feitos com o Bilhete Mensal. Contando também o Semanal e o Diário, os embarques com bilhetes temporários somaram 212.140. Ambos os números representam pouco mais de 2% do total de embarques.

Os bilhetes Semanal e Diário foram lançados em abril e maio de 2014, respectivamente. Mesmo somados, eles têm um peso menor do que o mensal nas vendas.

A SPTrans informou que foram vendidas 547.014 cotas do Bilhete Mensal no período de janeiro a agosto de 2015, o que dá uma média de 68.377 por mês. As vendas atingiram o ponto mais alto em agosto: 92.002 cotas. Levando em conta esta quantidade, o bilhete alcança somente 10,7% dos potenciais usuários previstos pela prefeitura.

Mais atrativo

Em janeiro deste ano, o Bilhete Mensal ficou mais atrativo porque os valores das cotas não sofreram reajustes apesar do aumento do preço da passagem unitária, de R$ 3 para R$ 3,50.

Antes da elevação da tarifa, a cota de R$ 140 do bilhete era vantajosa somente para quem fazia ao menos 46 viagens de ônibus ou metrô por mês. Em janeiro, passou a propiciar economia já a partir de 41 viagens, o que praticamente cobre o total de dias úteis de um mês. Os trajetos feitos além desta quantidade saem de graça.

A cota de R$ 230 só beneficiava quem fazia ao menos 49 viagens com integração com o transporte sobre trilhos por mês. No começo do ano, passou a proporcionar economia para o passageiro a partir da 43ª viagem.

Com a maior atratividade, o uso do Bilhete Mensal cresceu 163% em 2015, levando em consideração a média de embarques por dia útil entre janeiro e julho.

A quantidade de embarques com o Mensal saltou de 74.562 de janeiro a julho de 2014, o que representava 0,8% em relação ao total, para 196.215 no mesmo período de 2015, o equivalente a 2,1% do total. 

Estudantes passaram a ter gratuidade

Uma das razões para os números não serem maiores, diz Adauto Farias, é a gratuidade que a prefeitura concedeu no começo deste ano a estudantes do ensino público fundamental e médio e para universitários cotistas e de baixa renda.

O diretor da SPTrans vê os números do Bilhete Mensal com otimismo. “Está crescendo, é um sucesso. Se não houvesse a gratuidade [para estudantes], seria maior. As pessoas estão se habituando. Só tende a aumentar nos próximos anos.”

O passe livre para estudantes, lançado em janeiro pela prefeitura, já superou o uso dos bilhetes temporais. Na média dos dias úteis de janeiro a julho, a SPTrans registrou 329.060 embarques com o bilhete escolar gratuito, o que representa 3,7% do total.

A soma dos usuários que desfrutam da gratuidade com os passageiros que utilizam os bilhetes temporais é de cerca de 270 mil na média por dia útil entre janeiro e julho, menos de um terço da expectativa inicial da prefeitura em relação ao Bilhete Mensal.

Se existe mesmo o potencial anunciado pelo secretário Tatto em 2013, muitos usuários – quase 600 mil - não estão aproveitando a economia que poderiam fazer.

Para aumentar a adesão ao Bilhete Mensal, Farias diz que a SPTrans “está fazendo um trabalho junto a compradores do Vale-Transporte” e “facilitando o trabalho de cadastramento de usuários nas próprias empresas”.

Além disso, Farias afirma que a SPTrans deverá fazer uma “atualização grande do site” e “repaginar a comunicação com o usuário”. A ideia, segundo o diretor, é simplificar os serviços e fornecer mais informações aos passageiros. O cadastro para a obtenção do Bilhete Mensal é feito somente pelo site.

Não há prazo para as mudanças acontecerem. Quando elas estiverem no ar, os usuários poderão acessar a página da SPTrans para verificar saldos e registrar perdas de bilhetes.

Mais Cotidiano