PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Brasileira é morta a facadas em cidade na fronteira entre Brasil e Paraguai

Erika Lima Corte foi encontrada morta por sua colega de quarto - Reprodução/Facebook
Erika Lima Corte foi encontrada morta por sua colega de quarto Imagem: Reprodução/Facebook

Jéssica Nascimento

Colaboração para o UOL

20/08/2018 18h45

Uma estudante brasileira que cursava medicina no Paraguai foi morta no apartamento onde morava, na madrugada desta segunda-feira (20), em Pedro Juan Caballero, município que faz fronteira com Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul, a 326km de Campo Grande. Segundo a polícia local, Erika Lima Corte, de 29 anos, foi encontrada com 16 perfurações na região do tórax e pescoço.

De acordo com a Diretoria de Polícia do Departamento de Amambay, na cidade de Pedro Juan Caballero, a estudante foi encontrada deitada no chão da sala, com um pano branco sobre o rosto, por sua colega de quarto, a estudante Milena Cristina de Matos Oliveira, de 20 anos, que também estuda no país vizinho. Aos policiais, a jovem contou que estava fora desde as 17h e que, ao chegar do trabalho, se deparou com o corpo no chão. Ainda segundo a polícia, não está descartada a possibilidade de que a jovem tenha sofrido abuso sexual. 

Leia também

Erika estava no Paraguai há um ano e meio para cursar medicina, já que o curso no país é mais barato que no Brasil. A jovem, que nasceu em Mato Grosso, é filha do ex-prefeito de Pontal do Araguaia, Raniel Corte, e da ex-secretária municipal de Educação, Marleide de Lima Corte. Segundo parentes, o corpo de Erika deve ser levado para a cidade onde a família mora. 

Em nota, a prefeitura municipal de Pontal do Araguaia decretou luto de três dias pela morte da estudante. No texto, o governo lembrou do trabalho da jovem, que "prestou bons serviços à comunidade.”

“Neste momento de dor e consternação, só nos cabe pedir a Deus que lhe ilumine e lhe dê paz, e que Deus dê conforto à sua família para que possam enfrentar esta imensurável dor com serenidade”, disse a nota.

Segundo o boletim de ocorrência, o qual o UOL teve acesso, o celular da estudante e a arma do crime foram levados. Até o momento, nenhum suspeito foi identificado. 

Cotidiano