PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Um dia após temporal, Rio segue em estado de crise e tem vias interditadas

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

08/02/2019 09h54

Mais de 36 horas após o temporal que atingiu o Rio de Janeiro, a capital fluminense permanece em estado de crise, o mais grave em uma escala de três em situações deste gênero, nesta manhã de sexta-feira (8). A Avenida Niemeyer, que liga a zona sul ao bairro de São Conrado, em que um deslizamento de terra soterrou um ônibus, matando dois passageiros, permanece interditada para limpeza da via. O veículo foi retirado da via quase 14 horas após o acidente. Duas retroescavadeiras foram usadas. 

Com a força do deslizamento de terra, o ônibus foi jogado contra a mureta da Avenida Niemeyer e invadiu a ciclovia quase caindo encosta abaixo. O local onde o ônibus foi atingido é o mesmo que abriga a ciclovia Tim Maia que registrou queda de parte da estrutura em alguns trechos. Além dos dois mortos no ônibus, mais quatro pessoas morreram em decorrência das chuvas desta noite de quarta-feira (6): duas em Barra de Guaratiba, uma na Rocinha e uma no Vidigal.

Segundo informações da Light (empresa responsável pelo abastecimento de luz na cidade), 40 mil clientes permanecem sem energia elétrica. O número corresponde a 1% do total de clientes. A maioria afetada está na zona oeste da cidade: Barra da Tijuca, Freguesia e Taquara.

De acordo com a prefeitura, devido à instabilidade climática e ao solo úmido, a cidade ainda corre risco de novos desmoronamentos como os registrados nas comunidades do Vidigal e da Rocinha, onde moradores tiveram casas destruídas e veículos arrastados pela água e pela lama. 

Apesar de a sexta amanhecer com sol, o Sistema Alerta Rio informa que novas pancadas isoladas de chuva podem atingir a cidade no fim do dia. De acordo com a previsão, o sistema de baixa pressão no oceano irá se afastar do Rio e a previsão é de ventos fracos a moderados. As temperaturas ficarão estáveis, com máxima prevista de 33ºC.

Ruas interditadas e árvores caídas

O Centro de Operações Rio (COR), que monitora a cidade através de câmeras, informou que além da Niemeyer, outras quatro localidades ainda estão interditadas:

  • Mergulhões da Barra: Av. Armando Lombardi e Av. Ayrton Senna, devido a bolsões
  • Av. Visconde de Albuquerque, sentido Jardim Botânico, altura da Praça Sibélius, devido a queda de árvore
  • Estrada do Joá, altura da Rua Gabriel Garcia Moreno, devido a deslizamento
  • Estrada das Canoas, altura do nº 813, em São Conrado, devido a queda de poste

O órgão ainda confirmou que 170 árvores e seis postes caíram na cidade devido ao temporal. A Defesa Civil registrou 513 chamados para vistoria em decorrência da chuva, sendo que os bairros com maior demanda foram a Barra da Tijuca (com 29 ocorrências), Itanhangá (26), Barra de Guaratiba (26) e Joá (22).

Nesta sexta-feira, os transportes funcionam normalmente, dentro dos horários previstos, segundo as concessionárias. 
 

Cotidiano