PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Professor da UFMA é afastado suspeito de assédio sexual contra 15 alunas

Cartaz feito por alunos da UFMA contra assédio sexual - Divulgação
Cartaz feito por alunos da UFMA contra assédio sexual Imagem: Divulgação

Aliny Gama

Em Maceió

21/02/2019 12h54

Resumo da notícia

  • Qunize alunas acusam professor de assédio sexual
  • Alunas relatam que professor prometia boas notas em troca de sexo
  • Defesa do professor fala que processo não tem provas e diz que cliente é alvo de "linchamento público"
  • UFMA afastou professor por 120 dias na última segunda e abriu investigação

Pelo menos 15 estudantes do Colégio Universitário da UFMA (Universidade Federal do Maranhão) denunciaram à reitoria da instituição que sofreram assédio sexual praticado por um professor de química durante as aulas. Segundo as estudantes, Francicarlos Veras Cardoso prometia notas acima da média e pontos extras em troca de sexo. Ele teria, inclusive, reprovado uma aluna porque ela não cedeu aos convites, de acordo com a denúncia. 

Os supostos assédios sexuais teriam ocorrido até o ano de 2017, quando um grupo denunciou a situação à UFMA e o professor apresentou um atestado médico afastando-se das atividades desde então. Um processo administrativo foi aberto pela instituição educacional para apurar as denúncias e a UFMA anunciou na segunda-feira (18) um novo afastamento do professor por 120 dias.

Procurado pelo UOL, o advogado de Cardozo, Mozart Baldez, disse que seu cliente é alvo de "linchamento público" em um processo "sem provas" e alega que o professor ainda não foi intimado pela polícia para prestar esclarecimentos. 

O caso está sendo investigado também pela DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente), depois que a família de uma estudante registrou boletim de ocorrência. A delegada Ana Zélia Gomes informou que a investigação corre em sigilo por envolver menores de 18 anos.

Com o início das aulas do Colégio Universitário, na última segunda-feira (18), estudantes ficaram preocupadas com um possível retorno do professor às salas de aula e pediram à reitoria que haja celeridade no resultado do processo administrativo. Um grupo de alunas e ex-alunas denunciaram, nas redes sociais, os supostos assédios e cobraram afastamento do professor. 

"Uma escola que proporciona tanto conhecimento, oportunidades e amadurecimento não pode ser a mesma que tem um criminoso como professor. Dezenas de meninas já foram assediadas e esse número só vai aumentar com a permanência dele. Já chega!", disse o grupo nas redes sociais.

De acordo com o relato de uma estudante, que teria sido vítima de Cardoso, as garotas da sua turma só conseguiam assistir às aulas porque os meninos sentavam na frente da sala e faziam uma barreira com as cadeiras para que o professor não transitasse e não tivesse contato direto com as alunas. 

"Na minha sala, os alunos faziam uma barreira de cadeiras na frente e as meninas sentavam atrás. Qualquer tipo de contato era evitado. A gente ia para a escola com medo e nos dias de aula dele era dia de pânico. Passar por ele no corredor era tortura", relata a estudante.

Outra aluna contou, ao UOL, que o professor falava no ouvido das estudantes que eram bonitas e que poderiam tirar notas boas, caso aceitassem sair com ele.

"Na primeira vez que aconteceu eu fiquei parada, sem acreditar no que estava ouvido. Ele falou sussurrando ao meu ouvido que eu tinha o corpo bonito e me chamou para ir na casa dele. A gente nunca ficava sozinha na escola com medo dele", conta a estudante, que na época tinha 15 anos e hoje está com 17 anos. 

A adolescente Ana (nome fictício), 18, relatou ao UOL que Francicarlos Cardoso é um professor rígido e que a sua "fama de galanteador" é conhecida em toda a escola, mas "ninguém faz nada". Ela diz que não achava que ele iria assediá-la um dia a ponto de ter que mudar de escola.

"Por mais que eu estudasse, sempre tinha dificuldade em tirar nota na média porque ele faz a prova complicada para sempre a gente precisar de pontos, para ficar em recuperação. Foi aí que ele começou a dar em cima e eu me sentia mal. Fui ficando com medo, faltando nas aulas e contei a minha mãe", relata a estudante, que mudou de escola em 2017.

Eu fiquei num estado de nervo que não dormia pensando em ter de ir para a escola e ver aquele homem. O jeito que ele agia comigo, fazia também com outras meninas. A gente se sente um nada. É preciso que a comunidade escolar faça alguma coisa, não faça vista grossa

Ana (nome fictício), estudante que acusa professor de assediá-la

Maria, 19, (nome fictício) também relata momentos difíceis no Colégio Universitário atribuídos aos supostos assédios praticados pelo professor. Ela conta que soube por outros alunos, logo que começou a estudar na UFMA, do histórico do professor, mas "no início do ano letivo ele não demonstrou problemas", disse. 

Passaram-se uns meses e, certa vez, ele esperou eu ser a última a sair da sala para oferecer carona...Ele disse que me levaria em casa, depois que eu fosse com ele para casa dele. Eu neguei e ele pegou forte no meu braço. Ficava apavorada quando a sala ia esvaziando, mesmo que não fosse aula dele, porque ele poderia me encontrar na saída da escola

Maria (nome fictício), estudante que acusa professor de assediá-la

Outro lado

O UOL entrou em contato ontem com Cardoso, que informou que só vai se manifestar sobre a acusação em juízo, onde "todos os esclarecimentos serão feitos". Por meio de nota, o advogado de defesa do professor, Mozart Baldez, afirmou que seu cliente vem passando por processo de linchamento ao ser apontado "sem provas" e de forma "precipitada" como autor de supostos crimes de assédio. No texto, o advogado diz ainda que Cardoso está em casa e aguarda o momento oportuno de ser ouvido pelas autoridades.  

"Em momento algum, depois de ser submetido a esse linchamento público, sem direito a ampla defesa e ao contraditório, correndo risco pessoal, o ortogante foi intimado pela polícia ou denunciado pelo Ministério Público, para prestar esclarecimentos sobre os fatos até agora considerados como verdadeiros e criminosos", diz a nota.

A defesa do professor ressalta ainda que a carreira dele tem mais de 25 anos de atuação, com passagens em mais de dez escolas de São Luís, e não registra "nenhum ato que venha desabonar a sua moral, valendo-se da sua condição de educador".

Por fim, Baldez diz que as denúncias podem ter conotação política, já que Cardoso foi diretor da UFMA em 2013. "Talvez todo esse movimento surdido tenha a intenção de macular a imagem de um profissional com objetivos de vingança, retaliação e finalmente de afastá-lo definitivamente da escola, uma vez que como gestor, no afã de melhorar o ensino, implantou medidas que para muitos foram recebidas com antipatia e resistência e, a partir daí, surgiram várias reações contrárias a sua pessoa a título de perseguição", disse.

A reitoria da UFMA informou que as providências legais cabíveis foram tomadas e que as denúncias estão sendo averiguadas por meio de Processo Administrativo Disciplinar. A UFMA disse ainda que o professor foi afastado pelo prazo de 120 dias, conforme portaria publicada na última segunda-feira (18).

Em nota oficial, a universidade disse que a decisão foi tomada para "garantir a efetividade das investigações" e que "reitera que repudia veementemente qualquer prática de assédio e que considera essa prática inadmissível em quaisquer circunstâncias e locais". A UFMA ainda não respondeu sobre as acusações feitas pelo advogado de Cardozo de "perseguição".

42% DAS MULHERES JÁ SOFRERAM ASSÉDIO, DIZ ESTUDO

redetv

Cotidiano