PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Bolsonaro vê "monstruosidade e covardia" em massacre em Suzano

Do UOL, em Brasília*

13/03/2019 15h34Atualizada em 14/03/2019 13h26

Resumo da notícia

  • Por volta das 9h30 da manhã, 2 ex-alunos entraram em uma escola em Suzano (SP) e atiraram
  • Ao todo, ação deixou 10 mortos; 5 alunos, 2 funcionários e um empresário
  • Após ação, um dos atiradores matou o outro e também se suicidou
  • A polícia identificou os assassinos: Guilherme Taucci Monteiro, 17, e Luiz Henrique de Castro, 25

O massacre em uma escola em Suzano (SP), que deixou 10 mortos, foi classificado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) como "monstruosidade e covardia". Bolsonaro só comentou o assunto em suas redes sociais mais de cinco horas depois do ocorrido.

Em post no Twitter às 15h59, Bolsonaro prestou condolências.

No começo da tarde, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República manifestou pesar pela tragédia, chamando-a de "desumana ação". Uma nota foi distribuída à imprensa por volta das 15h30.

A Secom da Presidência ainda afirma se colocar à disposição do governo de São Paulo para ajudar na apuração do ocorrido.

"Mais uma vez, nosso país é abalado por uma grande tragédia. O Governo Federal manifesta seu profundo pesar com os fatos ocorridos na cidade de Suzano, em São Paulo, apresentando suas condolências e sinceros sentimentos às famílias das vítimas de tão desumana ação. Ao Estado de São Paulo, colocamos nosso total apoio para auxiliar na apuração dos fatos", diz a nota.

Dez minutos antes do tuíte de Bolsonaro, um de seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), também se manifestou e criticou o Estatuto do Desarmamento.

No Congresso, deputados da oposição fizeram críticas à ampliação na facilidade do acesso a armas de fogo após o massacre em Suzano.

Do lado do governo, o líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP) afirmou que "aproveitadores" vão usar o ocorrido para criticar a política do governo Bolsonaro de maior acesso às armas. O senador usou o episódio para defender a redução da maioridade penal: "bandido não tem idade", disse.

Mourão cita videogames

Mais cedo, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, afirmou que é preciso entender por que tragédias como a de Suzano, em São Paulo, estão acontecendo com mais frequência no país. "É muito triste. A gente tem que chegar à conclusão por que isso está acontecendo. Essas coisas não aconteciam no Brasil, aconteciam m outros países", lamentou o vice.

Na manhã desta quarta, um adolescente e um homem encapuzados mataram pelo menos dez pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano. Eles abriram fogo contra as vítimas e em seguida cometeram suicídio.

Mourão não considera que a tragédia em Suzano tenha relação com o debate sobre flexibilização da posse e porte de armas, uma das bandeiras do presidente Jair Bolsonaro na campanha, mas admitiu que a associação neste momento será inevitável. "Não vejo essa questão. Vai dizer que a arma que os caras estavam lá era legal? Acho que não tem nada a ver, mas sei que a questão vai ser colocada", declarou.

Mourão não quis opinar sobre a fala do senador Major Olímpio (PSL-SP), que disse que a tragédia seria evitada se os professores da escola estivessem armados. Questionado sobre a declaração, Mourão respondeu: "no comments (sem comentários, em inglês)".

O general também se manifestou no Twitter, depois da publicação do post de Bolsonaro.

Para Mourão, um dos motivos pelo qual esse tipo de crime passou a ocorrer no Brasil é o uso excessivo de videogame e de jogos considerados violentos. Ele citou como exemplo seus netos, que disse que passam o dia "mergulhados nisso".

O vice também avaliou que atualmente pais e mães são obrigados a trabalhar e é preciso oferecer mais opções de escola em tempo integral. Ele lembrou que, quando criança, costumava jogar futebol, soltar pipa e brincar de bola de gude. (*Com informações do Estadão Conteúdo)

Suzano: Testemunha conta que viu amigo ser morto em ataque

Band News

Cotidiano