Topo

Assalto a dois bancos deixa mortos em Guararema (SP)

Eduardo Lucizano, Leonardo Martins, Luís Adorno e Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

04/04/2019 06h28Atualizada em 11/04/2019 18h14

Uma tentativa de roubo a caixas eletrônicos de duas agências bancárias em Guararema, cidade da região metropolitana de São Paulo, terminou em troca de tiros com a polícia e deixou ao menos onze suspeitos mortos na madrugada de hoje, segundo a Polícia Militar. Um fugitivo foi preso até o momento e nenhum policial se feriu na ação.

De acordo com o comandante da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), tenente-coronel Mario Alves da Silva, ao menos 25 criminosos armados explodiram os caixas eletrônicos antes da chegada dos policiais, por volta das 2h50. A atuação da polícia foi elogiada pelo governador João Doria (PSDB).

A quadrilha já vinha sendo monitorada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do MP-SP (Ministério Público de São Paulo). A reportagem apurou que a chefia da quadrilha caiu em um grampo da Promotoria de Sorocaba, combinando "furto e roubo" em Guararema e região.

A Promotoria alertou a PM, que designou a Rota para fazer um monitoramento na região de Guararema "porque havia uma informação de que poderia acontecer esse roubo aqui", disse o tenente-coronel à Record TV. Os criminosos, porém, acessaram a cidade por uma estrada de terra. Guararema é um município de 28 mil habitantes.

Ao UOL, o MP informou que as investigações sobre a quadrilha são sigilosas e continuam em andamento.

Confrontos se espalharam pela cidade

Segundo a PM, após o ataque às agências, os criminosos fugiram em cinco carros com a chegada dos policiais.

Foram registrados ao menos quatro pontos de confronto com os criminosos na cidade, que fica a cerca de 80 quilômetros da capital paulista.

Em um desses pontos, um grupo de suspeitos foi abordado pela polícia na estrada que liga Guararema à cidade de Santa Branca. Sete suspeitos foram mortos. Eles estavam com cinco fuzis e outras armas.

Durante a fuga, outra parte da quadrilha chegou a fazer reféns em uma residência em um condomínio, mas a PM conseguiu libertá-los. De acordo com informações do SBT, os bandidos fugiram para a mata.

As buscas por fugitivos continuam na região. Equipes do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais), da Rota, do COE (Comando e Operações Especiais) e o policiamento local atuam na ocorrência.

Em outro momento do confronto, segundo o comandante da Rota, os PMs abordaram um veículo cujos ocupantes não tinham relação com o roubo quando um carro com criminosos apareceu logo em seguida. "[Os criminosos] Começaram a atirar, inclusive baleando o veículo da frente", disse à TV Globo. Silva não falou, no entanto, se os ocupantes do primeiro veículo se feriram.

Até o momento, foram apreendidas 13 armas, sendo sete fuzis, além de explosivos e coletes balísticos.

Lojista de Guararema relata danos a sua loja pelo tiroteio

Band Notí­cias

Agências eram do Santander e do BB

Os criminosos tentarem assaltar uma agência do Banco do Brasil, que fica ao lado da delegacia da cidade, e outra do Santander.

Em nota, o Santander disse que "está colaborando com as investigações policiais" e que nada foi levado de sua agência. O Banco do Brasil ainda não se pronunciou. A polícia não informou se os assaltantes conseguiram roubar algo dos bancos. As agências estavam interditadas porque foram deixados explosivos dentro delas.

No Banco do Brasil, os criminosos explodiram o cofre central. Já no Santander, há explosivos que não foram detonados no chão da agência.

Agência do Santander foi isolada após ataque de quadrilha - Jonny Ueda/Futura Press/Estadão Conteúdo
Agência do Santander foi isolada após ataque de quadrilha
Imagem: Jonny Ueda/Futura Press/Estadão Conteúdo

Reféns

Durante a fuga, um homem foi tomado como refém e o criminoso conseguiu invadir um sítio, arrombando a porta. Vanderleia Vicente Gomes e o marido dela também foram feitos reféns, mas os policiais invadiram o local e mataram o criminoso.

Em entrevista à TV Globo, Vanderleia disse que um dos bandidos invadiu sua casa e fez seu marido e um funcionário do condomínio reféns.

"Ele (bandido) pediu para a gente abrir a porta dizendo que estava com refém, ele arrombou a porta, um rapaz da portaria do condomínio estava rendido. Então, no outro quarto da casa ele estava com o rapaz da portaria e meu marido. Ele ficou tentando negociar com os policiais", disse.

"Ele não queria se entregar, só mediante a imprensa. Ouvi um tiro só dentro da minha casa. Ele não quis entregar a arma e acho que tentou reagir", afirmou Vanderleia.

"Atirar para matar"

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) afirmou, durante a campanha eleitoral do ano passado, que o policial deve "atirar para matar" e que os policiais que matarem devem ter, pagos pelo estado, "os melhores advogados" disponíveis. À época, o comandante-geral da PM disse que a orientação é de proteger vidas.

Em 2018, a PM paulista reduziu em 9,5% o número de pessoas mortas por policiais. No ano anterior, as polícias de São Paulo bateram recorde de letalidade. Em contraponto, 60 policiais foram mortos em serviço e durante a folga tanto em 2017 quanto em 2018.

Nos primeiros três meses deste ano, a PM matou 195 em supostos confrontos, o que corresponde a um acréscimo de 13% comparado ao mesmo período do ano passado.

Parte da quadrilha foi abordada pela polícia durante a fuga e foi morta - Jonny Ueda/Futura Press/Estadão Conteúdo
Parte da quadrilha foi abordada pela polícia durante a fuga e foi morta
Imagem: Jonny Ueda/Futura Press/Estadão Conteúdo

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Segurança pública