Topo

PCC infiltrou doméstica e comprou casa vizinha à prisão para matar agente

Henri Charle Gama e Silva, agente penitenciário federal assassinado em Mossoró - Reprodução
Henri Charle Gama e Silva, agente penitenciário federal assassinado em Mossoró Imagem: Reprodução

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

08/04/2019 04h00

Resumo da notícia

  • PCC iniciou série de ataques a agentes de penitenciárias a partir de 2016
  • Planejamento teria começado em 2014 devido ao tratamento rígido nas prisões
  • Táticas incluíam aluguel de casas, monitoramento de vítimas e uso de informantes

Por volta das 16h do dia 12 de abril de 2017, uma quarta-feira, o agente penitenciário federal Henri Charle Gama e Silva estava sentado em uma das cadeiras do bar Pais e Filhos, nas proximidades de sua casa em Mossoró (RN), quando pelo menos dois homens desceram de um Fiesta branco e começaram a atirar com pistolas em sua direção.

Atingido pelas costas, ele conseguiu correr e tentou se abrigar atrás de um carro estacionado, porém um dos atiradores o alcançou. O assassino acertou um disparo à queima-roupa abaixo da orelha direita da vítima e outro no topo do crânio e fugiu de carro com outros comparsas. O agente morreu no local.

Plano de intimidação

A história do homicídio de Henri Charles começa em 2014 no estado de São Paulo. Naquele ano, a cúpula da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) havia decidido "intimidar e desestabilizar" os funcionários do sistema penitenciário federal, considerado o mais rígido do país.

"Desde 2014, já havia uma movimentação junto à cúpula do PCC, com a emissão de um 'salve' [comunicado], no sentido de planejar ações que demonstrassem o descontentamento da facção com o que eles chamam de 'opressão'. Opressão seria o tratamento rígido, dentro dos parâmetros legais, que era imposto aos membros da organização", afirma o MPF (Ministério Público Federal) do Rio Grande do Norte na denúncia contra cinco pessoas acusadas de planejar a morte do agente do presídio de segurança máxima de Mossoró.

Conheça a trajetória de 25 anos do PCC (Primeiro Comando da Capital)

UOL Notícias

Os seguidos desentendimentos de um dos líderes do PCC com os agentes foi o estopim para que a facção começasse a por o plano em prática. Um dos primeiros membros da cúpula da facção a cumprir pena em presídio federal, Roberto Soriano, o Tiriça, ameaçou os funcionários e chegou a dizer em uma ocasião: "Se me tratarem bem, eu trato bem, se me tratarem, eu trato mal".

O encarregado do plano

O salve de 2014 foi encontrado no ano seguinte entre os pertences do criminoso Anderson Conceição de Lira, o Profeta, morto durante uma operação realizada por policiais militares em 18 de novembro de 2015 em uma chácara de Salto, no interior paulista. Na mesma ocasião foi preso o membro encarregado pelo PCC de colocar o plano em prática, de acordo com as investigações da PF (Polícia Federal): Eduardo Lapa dos Santos.

Lapa é uma espécie de "apoio" aos membros da "Sintonia Geral Final", o topo do PCC, formado por 12 integrantes, entre eles o líder máximo, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola. Sintonia é como é chamado cada setor do grupo criminoso.

A ideia era matar dois agentes para cada unidade penitenciária federal existente na época: Catanduvas (PR), Mossoró (RN), Porto Velho e Campo Grande. O primeiro a morrer foi o agente Alex Belarmino Almeida Silva, no dia 2 de setembro de 2016, na cidade de Cascavel (PR). Lotado na sede do Depen (Departamento Penitenciário Nacional), em Brasília, ele estava no Paraná para ministrar um curso de tiro a agentes de Catanduvas.

Compra de casa e empregada infiltrada

Em Mossoró, o primeiro ato foi comprar uma casa próxima ao presídio federal ainda no ano de 2015. Na época em que estava em liberdade, Lapa contou com ajuda de um antigo companheiro de cela, Jailton Bastos de Souza, potiguar de nascimento que está detido na P2, uma unidade da Penitenciária de Presidente Venceslau, no interior paulista.

O presídio federal de segurança máxima de Mossoró (RN) - Vinícius Andrade/UOL
O presídio federal de segurança máxima de Mossoró (RN)
Imagem: Vinícius Andrade/UOL

A mando de Lapa, Jailton passou as ordens à sua mulher, Gilvaneide Dias Mota Bastos, para comprar uma casa em Mossoró nas proximidades do presídio federal. O objetivo era o de monitorar a rotina dos agentes, a partir de um ponto de observação, e assim escolher o alvo. Ela teve ajuda de Maria Cristina da Silva, sua irmã.

Encontrado o local, entrou em cena outro membro da facção: Edmar Fudimoto, o "Japonês". Denunciado por tráfico de drogas em São Paulo, ele se apresentou como comprador aos donos da residência escolhida. O pagamento total de R$ 60 mil foi feito por Lapa, a partir de depósitos feitos em agências bancárias da cidade de Salto, onde ele seria posteriormente preso.

A outra parte do plano, após a escolha do alvo, foi infiltrar Maria Cristina como empregada doméstica de Henri Charle e sua família. Ela passou a informar Lapa sobre todos os movimentos do agente até o dia escolhido para matá-lo.

A única peça do quebra-cabeça que não foi desvendada pela PF é a identidade de quem efetuou os disparos que vitimaram Henri Charle. Lapa, Jailton, Maria Cristina e Gilvaneide negam participação no crime. Edmar está foragido. Os cinco irão a júri popular por decisão da Justiça Federal.

Após a morte de Henri Charle, o PCC matou outra funcionária do sistema penitenciário federal: a psicóloga Melissa de Almeida Filho, na cidade de Cascavel (PR).

Em janeiro, todos os integrantes da cúpula da facção, inclusive Marcola, foram transferidos de São Paulo para presídios federais.

PCC matou três agentes penitenciários federais

Band Notí­cias

Mais Cotidiano