Topo

Deputada Flordelis diz que prestará depoimento na segunda-feira

Flordelis (de óculos escuros) durante o enterro do pastor Anderson do Carmo - Wilton Junior/Estadão Conteúdo
Flordelis (de óculos escuros) durante o enterro do pastor Anderson do Carmo Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Marina Lang

Colaboração para o UOL, no Rio

22/06/2019 11h43

A deputada federal Flordelis (PSD-RJ) informou que prestará depoimento à polícia na próxima segunda-feira (24) no âmbito da investigação do assassinato de seu marido, o pastor evangélico Anderson do Carmo Souza.

O pedido para ela depor partiu da Divisão de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (região metropolitana do Rio), que investiga o caso.

Segundo a assessoria de imprensa de Flordelis, ela será ouvida na condição de testemunha da investigação policial.

"Embora, como parlamentar, a deputada tenha a prerrogativa de escolher o dia e o local do depoimento, ela decidiu aceitar o convite nos termos formulados pela polícia, porque tem o interesse de colaborar com as investigações", afirma em nota.

A assessoria diz ainda que a deputada dará uma entrevista coletiva à imprensa no dia seguinte.

Procuradas pela reportagem, Bárbara Lomba, delegada que chefia o inquérito, e a assessoria da Polícia Civil ainda não se manifestaram.

Ontem, Lomba disse que a investigação sobre o assassinato do pastor não irá descartar nenhuma pessoa próxima a ele ou que estava na cena do crime. A declaração foi dada ao RJTV, da TV Globo.

Na entrevista, a delegada não citou nominalmente a deputada, mas disse que todos que estavam na cena do crime ou próximos ao local são investigados. Flordelis disse que estava na casa no momento do assassinato.

Segundo o Jornal Nacional, da TV Globo, um dos filhos de Flordelis afirmou à Polícia Civil que suspeita que ela e três irmãs possam ter envolvimento na morte do pastor. A polícia, porém, não confirmou a informação.

Na entrevista de ontem, Lomba afirmou que uma das linhas de investigação da polícia é de que o crime tenha relação com a família, mas ainda não se sabe qual a natureza do motivo. "Pode ser econômica, de gestão patrimonial, de recursos, pode ser política, pode ser interpessoal", exemplificou.

Souza era casado com a deputada, com quem tinha 55 filhos, entre biológicos e adotivos.

Flávio dos Santos Rodrigues, 38, filho biológico da parlamentar e enteado do pastor, confessou à polícia ter disparado seis tiros contra a vítima.

O pastor foi morto a tiros logo após chegar de carro em casa em Niterói, região metropolitana do Rio, acompanhado da deputada, no domingo (16).

Polícia ainda tenta descobrir motivação da morte de pastor

Band Notí­cias

Mais Cotidiano