Topo

Deputada mais votada do RJ, 55 filhos, marido assassinado: quem é Flordelis

A deputada federal Flordelis (PSD-RJ) no enterro do marido no mês passado -
A deputada federal Flordelis (PSD-RJ) no enterro do marido no mês passado

Marina Lang

Colaboração para o UOL, no Rio

02/07/2019 04h01

Mulher mais votada no Rio em 2018 para deputada federal (quinta, considerando-se também os homens), Flordelis dos Santos de Souza, 58, (PSD-RJ) conquistou este primeiro mandato na Câmara dos Deputados promovendo a adoção de filhos - processo pelo qual ela mesma passou 51 vezes ao lado do marido, o pastor Anderson do Carmo, 42, assassinado a tiros em casa. Ela ainda tem mais quatro filhos biológicos.

Desde a morte do marido em 16 de junho, viu sua família envolta em investigações policiais: Flávio dos Santos, 38, filho biológico dela e enteado do pastor morto, foi preso durante o enterro de Anderson, e Lucas dos Santos, 18, foi detido na sequência - nenhum dos dois por casos relacionados ao assassinato.

Cantora gospel e destinatária de R$ 1 milhão do fundo partidário do PSD na última campanha, Flordelis chegou a ter a vida retratada em um filme em 2009. Veja o que se sabe sobre ela:

Havia tentado ser vereadora

Embora o mandato atual de deputada federal seja sua primeira eleição vencida, Flordelis havia tentado se eleger anteriormente: em 2004, candidatou-se a vereadora em São Gonçalo pelo então PMDB e teve 2.262 votos.

Em 2016, chegou a ser pré-candidata, também pelo PMDB, à prefeitura da cidade, que sedia uma congregação evangélica chamada Ministério Flordelis - Cidade do Fogo.

Na propaganda eleitoral destas últimas eleições, trechos de reportagens antigas remontavam às origens da deputada na causa da adoção.

Polícia convoca 10 filhos para depor

bandrio

Nascimento na comunidade do Jacarezinho

Nascida no Complexo do Jacarezinho, favela da zona norte do Rio, Flordelis iniciou trajetória evangélica nos pequenos cultos que a mãe organizava na comunidade nos anos 90. Foi lá onde conheceu Carmo em 1993. Casaram-se no ano seguinte.

A vocação para missionária vinha desde aquela época, segundo seu relato.

"Decidi sair da minha casa toda sexta-feira de madrugada para ir às portas dos bailes funk, para abordar as crianças e os adolescentes, e mostrar a eles um caminho diferente, o caminho do amor, da fé em Deus e o caminho da restauração na família", escreveu em 25 de maio, Dia Nacional da Adoção. A mensagem foi compartilhada no perfil do marido.

"Numa madrugada, fui acordada com um barulho enorme na porta da minha casa (...). Havia 37 crianças e adolescentes desesperadas, fugindo de uma CHACINA na Central do Brasil, Centro do Rio de Janeiro. Foi assim que começou minha historia de adoção, e de lá pra cá me tornei mãe de 55 filhos, 51 deles adotivos", prosseguiu a deputada no texto.

Cantora gospel

Anderson e Flordelis - Reprodução/Facebook
Anderson e Flordelis
Imagem: Reprodução/Facebook
Em 1998, Flordelis ingressou na carreira de cantora gospel e lançou seu primeiro álbum, intitulado Multidão. Depois disso, houve mais oito lançamentos, entre álbuns e EPs.

No ano seguinte, o casal fundou a Comunidade Evangélica Ministério Flordelis, no bairro da Rocha, também na zona norte do Rio.

Em 2002, Flordelis e Anderson fundaram juntos o Templo do Ministério no bairro do Colubandê, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. A congregação evangélica, atualmente, conta com cinco filiais espalhadas pelo Estado do Rio.

Até sua morte em 16 de junho, Anderson presidia o Ministério Flordelis - A Cidade do Fogo, no bairro Mutondo, em São Gonçalo, e fazia conferências de cunho religioso.

A história da deputada federal virou filme, Flordelis, por meio de uma produtora evangélica em 2009. Ela mesma narra a produção.

As memórias dos filhos adotivos são remontadas a partir de encenações de estrelas globais como Bruna Marquezine, Reynaldo Gianecchini e Letícia Sabatella. O elenco abriu mão do cachê, que foi revertido para a construção de uma moradia melhor para as crianças.

Confissão controversa

Preso por violência doméstica, em um caso sem ligação com o assassinato do pastor Anderson, Flávio teria confessado ter sido o autor dos seis disparos que mataram o pastor.

Mas depois de a informação ter sido divulgada pela polícia, a defesa de Flávio negou.

Já Lucas dos Santos responde por um crime análogo ao tráfico de drogas, que teria cometido quando ainda era menor de idade. Ele teria sido o responsável por conseguir a arma calibre 9mm usada no crime.

Ambos tiveram decretada a prisão temporária por 30 dias pelo crime de homicídio no caso. A polícia apura, agora, se mais pessoas tiveram envolvimento na morte do pastor.

Procurada pelo UOL para uma entrevista com a deputada na semana passada, a assessoria da parlamentar negou a solicitação.

Mais Cotidiano