Topo

Homem tenta furtar banco e diz ser Goku ao ficar preso em porta giratória

Helton Barros Soares ficou preso em porta giratória de banco, em Fortaleza. Ele é suspeito de tentar roubar a agência - Polícia Militar
Helton Barros Soares ficou preso em porta giratória de banco, em Fortaleza. Ele é suspeito de tentar roubar a agência Imagem: Polícia Militar

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

05/09/2019 10h56

Um homem afirmou ser Goku, protagonista do anime Dragon Ball, ao ficar preso na porta giratória de uma agência da Caixa Econômica Federal no bairro Jacarecanga, em Fortaleza. De acordo com a Polícia Militar, ele é suspeito de tentar furtar o banco.

Helton Barros Soares, 26, foi encontrado preso na porta giratória pelo vigilante da agência, que acionou a PM. Ao chegar no local, os policiais perguntaram o nome dele, e ele se identificou como o personagem japonês.

De acordo com a polícia, o suspeito estaria sob efeito de entorpecentes e disse ainda que iria se transformar em um Super Saiyajin, referindo-se a uma transformação avançada usada por personagens do Dragon Ball.

A PM informou que o homem é suspeito de danificar os caixas do banco após tentar roubar dinheiro e não conseguir. O sistema de alarme da agência bancária disparou e liberou uma cortina de fumaça para coibir a ação dele.

Foram apreendidos com o suspeito vários talões de cheque e cartões do Bolsa Família. Segundo o subtenente da Polícia Militar, Adalberto Sampaio de Castro, os cheques apreendidos foram furtados por ele do banco.

"Prendemos esse indivíduo aparentemente drogado, falando que é o Goku e que pegou um bolo de cheques porque não conseguiu roubar dinheiro dos caixas", contou o policial.

Como o caso ocorreu em uma agência bancária federal, a Polícia Federal foi acionada. O suspeito foi levado para a superintendência da PF, no bairro de Fátima, onde estão sendo lavrados procedimentos cabíveis ao fato. Ele não tem antecedentes criminais.

O UOL procurou a Polícia Federal para saber se o suspeito apresentou quem o defenderá no caso, mas aguarda posicionamento da instituição.

Mais Cotidiano