Topo

Jovem encontrada morta com corpo deformado levou 40 facadas, diz laudo

Hygino Vasconcellos*

Colaboração para o UOL, de Porto Alegre

17/09/2019 14h18

A adolescente Brenda Rocha Carvalho, 14, encontrada morta no último sábado (14) em uma plantação de eucaliptos em Passo de Torres (SC) foi esfaqueada mais de 40 vezes e ainda foi atingida na cabeça por um objeto. É o que aponta laudo preliminar do Instituto-Geral de Perícias (IGP). O documento ainda está sendo elaborado, mas deve ser concluído até amanhã e encaminhado para a polícia.

Ela morava na cidade de Maracajá (SC) e saiu de casa na última sexta feira (13), por volta das 18 horas, para fazer as unhas. A família dela tentou contato, mas sem sucesso, e por volta das 22h registrou boletim de ocorrência do desaparecimento. No dia seguinte, o corpo dela foi encontrado em Passo de Torres, a 57 quilômetros de onde morava. O irmão da vítima disse ao UOL que o corpo de Brenda estava "deformado".

Sem dar detalhes, o titular da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Araranguá, Lucas da Rosa, afirma que a investigação está avançada e que há um suspeito pelo crime, que está sendo procurado. Não foi informado se eles já se conheciam.

Agora, os investigadores investigam os últimos passos da jovem por meio de imagens de câmeras de segurança. Já se sabe que Brenda sumiu próximo de um ginásio da cidade. De acordo com o delegado, técnicos tentam recuperar gravações perdidas que mostrariam o momento em que a adolescente ingressa em uma casa ainda com vida. Não foi esclarecido se ela estava sozinha ou acompanhada.

"Essa imagem é considerada por nós como principal, pois focava na casa em que a vítima ingressou", salienta o delegado.

O delegado aguarda o laudo pericial para verificar se a adolescente também sofreu abuso sexual.

Corpo foi reconhecido pelo pai

O reconhecimento do corpo foi feito pelo pai da vítima, após a família ter sido informada que um corpo com as mesmas características da adolescente havia sido encontrado.

"Foi uma brutalidade o que fizeram. A minha mãe está a base de remédio para suportar isso. O meu pai não conseguiu ver a minha irmã no caixão no estado que ela estava", contou o irmão da vítima, Allan Rocha Oliveira, 18, ao UOL.

"Eu cheguei perto (do caixão) e estava bem difícil. Ela foi estrangulada com um arame e tinha facadas por toda a parte, nas mãos, no rosto, e o lado esquerdo do rosto dela, eu acho que bateram com alguma coisa, porque estava muito amassado", completou o irmão.

Segundo a família, a adolescente era uma menina tranquila e eles não têm conhecimento de nenhuma desavença que possa ter motivado o crime.

* Com informações de Bruna Alves, colaboração para o UOL em São Paulo

Mais Cotidiano