PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
8 meses
Caso Flordelis: operação mira endereços do chefe de gabinete da deputada

31.mai.2018 - Foto mostra Luciano Gomes (à esquerda), chefe de gabinete da deputada Flordelis, ao lado do pastor Anderson do Carmo, marido dela, e da parlamentar - Reprodução/Facebook Luciano Gomes
31.mai.2018 - Foto mostra Luciano Gomes (à esquerda), chefe de gabinete da deputada Flordelis, ao lado do pastor Anderson do Carmo, marido dela, e da parlamentar Imagem: Reprodução/Facebook Luciano Gomes

Do UOL, em São Paulo

30/11/2019 13h12

A Polícia Civil do Rio fez hoje uma operação de busca e apreensão em endereços ligados a Luciano da Silva Gomes, chefe de gabinete da deputada federal Flordelis (PSD-RJ). As buscas fazem parte das investigações sobre o assassinato do marido dela, o pastor Anderson do Carmo, ocorrido em junho deste ano.

A operação foi realizada por policiais da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá. De acordo com a delegada Bárbara Lomba, a ação ocorreu na casa de Gomes, no bairro de Camboinhas, em Niterói; no gabinete funcional da deputada, no Rio; e na sede do Ministério Flordelis, localizada no bairro do Mutondo, em São Gonçalo. A Polícia Civil não informou o que foi apreendido na operação.

Ainda segundo a delegada, um dos filhos de Flordelis foi conduzido até a sede da especializada para prestar declarações. Segundo o jornal "O Globo", trata-se de Adriano dos Santos. Questionada pelo UOL, a Polícia Civil não divulgou esta informação até o horário da publicação deste texto.

Luciano e sua mulher, Gleice Gomes, são funcionários do gabinete de Flordelis. A filha deles, Marcelle, é casada com Adriano. No perfil de Anderson do Carmo no Facebook, ainda aberto, Luciano aparece como "irmão".

Dois filhos de Flordelis, Flavio dos Santos Rodrigues e Lucas Cezar dos Santos de Souza, são acusados de matar Anderson. O pastor foi assassinado com mais de 30 tiros na garagem da casa do casal, em Pendotiba, bairro de Niterói. Testemunhas de acusação começaram a ser ouvidas pela Justiça no fim de outubro.

Cotidiano