PUBLICIDADE
Topo

Cadela "invade" ambulância, sobe em maca e espera dono em hospital do PR

Cadela tenta subir em maca, enquanto dono é levado para ser atendido em hospital - Dione Correia/Hora Certa
Cadela tenta subir em maca, enquanto dono é levado para ser atendido em hospital Imagem: Dione Correia/Hora Certa

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Ponta Grossa (PR)

17/01/2020 15h13

Uma cadela está chamando atenção desde a noite de anteontem na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Campo Mourão (PR), a 452 quilômetros de Curitiba. Ela aguarda na porta do prédio pela alta médica do dono dela, um morador de rua, de 49 anos.

O animal chegou ao prédio ao entrar na ambulância durante o socorro do paciente, que apresentava sinais de convulsão em via pública e precisou ser levado para atendimento.

Em imagens compartilhadas nas redes sociais, o jornalista Dione Correia mostra a cadela, chamada de "Belinha", dentro da ambulância chegando à UPA da cidade e acompanhando o dono ao lado da maca na entrada da unidade. Em uma das imagens, o animal fica em pé sobre duas patas pouco antes de o homem entrar no prédio.

Cadela espera do lado de fora da ambulância - Dione Correia/Hora Certa
Cadela espera do lado de fora da ambulância
Imagem: Dione Correia/Hora Certa
"Esse senhor estava passando mal e quando a equipe colocou o paciente dentro da ambulância, ela subiu e se escondeu atrás da maca. A equipe de socorro se comoveu e acabou deixando a cadela acompanhar. Quando eles desceram do carro, ela ficou desesperada ao lado, demonstrando preocupação e está aguardando no lado de fora", relata Correia.

De acordo com a enfermeira responsável da UPA, Simone Pelegrino, o morador de rua recebeu alta médica, mas aguarda um direcionamento da equipe de assistência social para ser encaminhado a um abrigo, caso aceite. "Temos que oferecer um local", diz.

Funcionários da UPA providenciaram comida e água para "Belinha" ao longo da espera pela saída do dono. Apesar do carinho, Simone pondera que a atitude do animal causou alguns problemas por se tratar de um ambiente hospitalar.

"Estou com um problema sério com esta cadela. Eu coloco para fora, mas ela entra. Como é muito esperta, vai direto para a maca dele. Virou algo até um pouco preocupante por ser um ambiente hospitalar. Ela não é braba, mas quando vamos tirá-la de perto do paciente, fica rosnando", comenta.

Caso o paciente ainda não seja liberado hoje, a UPA pretende acionar o setor de zoonoses da prefeitura ou entidades que cuidam de animais para auxiliarem sobre alguma providência. A unidade, contudo, pondera que não tomará nenhuma medida sem a anuência do morador de rua.

Cotidiano