PUBLICIDADE
Topo

Em meio à crise da água, Witzel anuncia concessão do saneamento no Rio

O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC) - Reprodução/TV Globo
O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC) Imagem: Reprodução/TV Globo

Gabriel Sabóia

Do UOL, no Rio

17/01/2020 18h52

Resumo da notícia

  • Em meio à crise, Witzel anunciou que pretende realizar mudanças no saneamento do RJ
  • Concessionárias passariam a distribuir toda a água e coletar todo o esgoto do estado
  • Em contrapartida, seriam feitos investimentos que podem totalizar até R$ 32 bilhões
  • A vontade de Witzel, no entanto, depende de articulações com cada um dos municípios do estado

Em meio à crise hídrica que tem levado água com sabor, cheiro e coloração alterados às casas da capital e cidades da Baixada Fluminense, o governo do Rio anunciou que pretende fazer mudanças no modelo de coleta de esgoto e distribuição de água potável.

De acordo com a vontade de Wilson Witzel (PSC), a Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro) adotará esquema de concessão e, em troca da exploração do serviço por grupos privados, seriam feitos investimentos que devem somar até R$ 32 bilhões.

A estratégia foi definida na tarde de hoje em encontro de Witzel com representantes do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Os 64 municípios atendidos atualmente pela Cedae serão divididos em quatro blocos, que podem ser explorados por 35 anos pelas concessionárias.

Na prática, a Cedae seguiria responsável pela produção de água nos três principais sistemas hídricos da região metropolitana: Guandu, Imunana-Laranjal e Lajes. Caberia às concessionárias apenas a distribuição de água e coleta de esgoto nos 13 municípios que compreendem a região metropolitana. Os demais sistemas de produção de água do Rio passariam a ser operados, em sua totalidade, pelas concessionárias.

Desta forma, as concessionárias ficam responsáveis por distribuir toda a água e coletar todo o esgoto do estado. A vontade de Witzel, no entanto, só sairá do papel com articulações políticas. Cada um dos 64 municípios fluminenses hoje atendidos pela Cedae precisará criar projetos de lei que permitam as mudanças no modelo de saneamento e distribuição de água atual.

De acordo com o governador, ele se reunirá com prefeitos para debater as medidas. Witzel também informou as primeiras metas estabelecidas, caso o novo modelo vá à frente.

As concessionárias terão que atingir 100% de cobertura no abastecimento de água e 90% de cobertura de esgotamento sanitário em até 20 anos. Índices de perda de água e conformidade da qualidade da água também seriam colocados como prerrogativas para a continuidade dos contratos.

Crise já gerou afastamentos e investigação policial

Hoje o diretor de saneamento da Cedae, Marcos Chimelli, foi afastado, segundo informou a coluna do jornalista Ancelmo Gois no jornal O Globo. Trata-se da segunda baixa na empresa, que está no centro dos problemas de abastecimento na região metropolitana.

De acordo com o jornal, o governo fluminense chegou à decisão depois de uma reunião de Witzel com o presidente da Cedae, Hélio Cabral, o presidente do conselho da companhia, Edmundo Rodrigues, e o secretário da Casa Civil, André Moura.

Na última quarta (15), a Cedae anunciou a exoneração de Júlio César Antunes do cargo de chefe de tratamento de água do Rio Guandu. Antunes, que é funcionário público, passou a integrar a equipe da qual era diretor. O presidente da companhia negou que a mudança se devesse à crise de abastecimento.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro realizou ontem diligências na Estação de Tratamento de Água do Rio Guandu em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Administrada pela Cedae, a estação abastece mais de 9 milhões pessoas na região metropolitana e está no centro da crise da água.

RJ tem água turva há ao menos 11 dias

De acordo com a Cedae, o problema relativo à qualidade da água se deve à presença já confirmada de geosmina em amostras coletadas. Esta é uma substância orgânica produzida por um tipo de alga. Especialistas relacionam a presença da geosmina à falta de tratamento de esgoto lançado em rios que compõem a bacia do Guandu.

Nesta semana, docentes da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) afirmaram que há riscos à saúde da população no produto fornecido pela empresa.

"Há uma evidente degradação ambiental dos mananciais que são utilizados para o abastecimento público da região metropolitana do Rio", afirmou a universidade através de nota divulgada pela Reitoria. "Essa degradação compromete a qualidade da água, dificulta seu tratamento e pode colocar em risco a população", completa o comunicado.

O presidente da Cedae pediu desculpas à população pelos transtornos. De acordo com Cabral, a partir da semana que vem, o reservatório do Guandu terá uma etapa extra de tratamento da água com carvão ativado que retira da água a geosmina.

Segundo a companhia, a substância não faz mal à saúde. Cabral admitiu, no entanto, que não sabe o que poderia estar causando a turbidez da água que chega à população —a geosmina não causa turbidez. "Isso terá que ser investigado."

Questionado, Cabral não estipulou prazo para que a crise no abastecimento seja resolvida. A extensão do problema e o número de domicílios afetados também não foram informados.

Cotidiano